Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 15/03/2018. Alterada em 14/03 às 21h15min

O aborto como solução social

Wambert Di Lorenzo
O discurso daqueles que querem legalizar o aborto afirmando que 500 mil mulheres por ano colocam sua vida em risco em clínicas clandestinas parece não silenciar. Sendo assim, pode-se perguntar: como eles sabem o número de mulheres que fazem abortos clandestinos se não há registros? Sendo uma estimativa, como chegaram a esses valores? A resposta é simples: esses dados não existem, foram inventados para sensibilizar a opinião pública a favor da legalização do aborto. Um feto já é uma vida, sendo que nele já existem os 46 cromossomos que carregam toda a informação genética do ser humano e o motor do seu desenvolvimento é interno. Temos ali uma vida humana em sua primeira etapa de existência e que, se não for interrompida, irá se desenvolver como um ser humano.
Exatamente por ser um outro ser humano que não se trata de um direito da mulher, mas de uma vida nova, que é sujeito de direitos. Mesmo na terrível condição de ter engravidado num estupro, matar o bebê é colocar a culpa do crime num inocente da mesma forma como aplicar a pena de morte num assassino é negar-lhe a sua condição humana de poder ser alguém melhor. Uma grande falácia é de que a legalização vai diminuir o número de abortos cometidos. Isso nunca aconteceu em lugar nenhum do mundo. Por exemplo, na Suécia, os casos de aborto aumentaram 600%; na Espanha, 488%; e nos Estados Unidos, 620%; com o agravante de que jovens começaram a praticar o aborto como método anticonceptivo. A legalização do aborto é uma maldição que arrasta uma nação inteira para o espiral da cultura da morte. No nosso país, é urgente que se crie uma cultura voltada para a vida humana. E não uma cultura voltada para a morte. O aborto nada mais é do que sacrifícios oferecidos a Molloc em novos templos e por novas pessoas. Sacrifícios que são oferecidos por pessoas que negam a Deus, mas acreditam que o assassinato de inocentes será a solução para os problemas da humanidade.
Vereador de Porto Alegre (Pros)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Fábio da Silva 16/03/2018 07h58min
Reflexivo! Texto de conteúdo e não de palavras vazias como os defensores da "causa", do "direito". Parabéns!