Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 31 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Meio Ambiente

31/03/2018 - 11h11min. Alterada em 31/03 às 11h11min

Vazamento de mineroduto da Anglo American atingiu córrego em Minas

O segundo vazamento no mineroduto da empresa Anglo American, ocorrido na quinta-feira, 29, em Santo Antonio do Grama, na Zona da Mata, em Minas Gerais, atingiu o Córrego Santo Antonio, que já havia sido afetado pelo primeiro vazamento da estrutura da companhia, no mesmo município, no último dia 12. Segundo cálculos da própria empresa, 174 toneladas do volume que passava pelo mineroduto foram para o córrego.
Ao contrário do primeiro vazamento, no entanto, o abastecimento de água da população da cidade não chegou a ser interrompido, já que, com o primeiro estouro, um outro ponto de captação foi montado no córrego. O segundo vazamento no mineroduto ocorreu a cerca de 400 metros do ponto em que ocorreu o primeiro.
Com o segundo vazamento do mineroduto, a Anglo American teve o funcionamento da estrutura suspenso pelo Ibama. O presidente da empresa no Brasil, Ruben Fernandes, anunciou na tarde da sexta-feira, 30, que a mineradora vai colocar pelo menos parte de seus 4,5 mil funcionários em férias coletivas. Ainda não foram definidas as áreas que terão trabalhadores mandados para casa.
Segundo Fernandes, uma inspeção será feita em toda a extensão do mineroduto, que liga Conceição do Mato Dentro, onde está a unidade da empresa, até o Rio de Janeiro, um total de 529 quilômetros. A expectativa é que o trabalho dure cerca de 30 dias.
O presidente da Anglo American afirmou que a manutenção do mineroduto está em dia. A última inspeção em toda a extensão da estrutura foi feita em 2014, conforme Fernandes, antes de a tubulação ser colocada em funcionamento. O executivo afirmou ainda que a recomendação é que esse tipo de manutenção ocorra de cinco em cinco anos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia