Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Meio ambiente

Alterada em 29/03 às 09h08min

Após contaminação, Rio Pará segue com níveis altos de metais tóxicos

Em fevereiro, a empresa norueguesa Hydro Alunorte lançou resíduos sem tratamento no Rio Pará

Em fevereiro, a empresa norueguesa Hydro Alunorte lançou resíduos sem tratamento no Rio Pará


NORSK HYDRO ASA/FLICKR/DIVULGAÇÃO/JC
Mercúrio, arsênio, alumínio e até urânio foram encontrados em concentração acima da permitida pela legislação brasileira nos resíduos lançados sem tratamento pela empresa norueguesa Hydro Alunorte no Rio Pará, entre os dias 16 e 17 de fevereiro. Essa é a conclusão de um novo relatório feito por especialistas do Instituto Evandro Chagas (IEC), apresentado na quarta-feira (28). 
O documento apresentou a avaliação da qualidade das águas superficiais nos canais regulares e clandestinos do Rio Pará - onde foram lançados efluentes sem tratamento. Segundo o químico Marcelo Lima, do IEC, em vários cursos d'água foram encontrados níveis elevados - superiores aos permitidos pela legislação - de cinco a seis elementos químicos tóxicos, dependendo do ponto avaliado.
"No Rio Murucupi, num trecho entre a comunidade Vila Nova e a nascente, encontramos não apenas chumbo, mas também arsênio, cromo e outros elementos tóxicos. Na nascente, verificamos também níveis muito elevados de alumínio e taxas altas de ferro e sódio dissolvido. Tudo isso coincide com o que está presente nos efluentes (resíduos) da empresa", afirmou Lima.
Na zona de mistura da água de alguns canais com a do rio há altos níveis de alumínio. As proporções de chumbo estavam de duas a cinco vezes maiores do que o permitido. No Rio Pará, o volume de água é grande e, por isso, a capacidade de diluição é maior. Ainda assim, praias e tributários (espécie de afluentes) apresentaram nível de ferro muito alto logo após o lançamento dos resíduos. Lima descarta a possibilidade de que isso seja um fenômeno natural.
Segundo o médico Marcos Mota Miranda, também do IEC, as substâncias químicas são tóxicas, mas o próprio ecossistema tem recursos para diluir os resíduos e mitigar sua toxicidade. O impacto da contaminação, diz, não depende apenas da dose, mas do tempo de contaminação. Exposições contínuas podem levar a problemas graves - neurológicas e pulmonares, por exemplo.
Apenas no dia 19 deste mês, após negar diversas vezes, o grupo norueguês Norsk Hydro reconheceu que sua fábrica de alumínio Hydro Alunorte, no Brasil, derramou água sem tratamento no Rio Pará, o maior da região. A contaminação por bauxita atingiu comunidades, ribeirinhos e quilombolas que vivem no entorno das 20 bacias de rejeitos da empresa.
Procurada, a Norsk Hydro informou que não teve acesso ao conteúdo integral do relatório e que vai analisar o material antes de se manifestar. Anteontem, a empresa divulgou que busca acordo com as autoridades para normalizar a operação. A mineradora diz que está fazendo análises interna e independente para esclarecer o caso. A conclusão deve ser apresentada em 9 de abril. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia