Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Patrimônio

Notícia da edição impressa de 29/03/2018. Alterada em 28/03 às 22h26min

Obras no Instituto de Educação devem ser retomadas

Ordem de início foi assinada em janeiro de 2016

Ordem de início foi assinada em janeiro de 2016


CLAITON DORNELLES /JC
A Secretaria Estadual de Educação encaminhou, oficialmente, o pedido de início para o processo de escolha da empresa que irá finalizar as obras de reforma e de restauro do Instituto de Educação General Flores da Cunha, na avenida Osvaldo Aranha, em Porto Alegre. O documento encerra o impasse sobre qual modalidade de contratação será feita - processo emergencial ou por meio de licitação.
Apesar de mais demorada, a escolha via licitação deve dar mais segurança e transparência ao processo, que envolve R$ 28,5 milhões, provenientes do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird). De acordo com o secretário de Educação,
Ronald Krummenauer, a ideia é criar uma força-tarefa com participação das secretarias envolvidas para dar celeridade ao processo. Na segunda-feira, às 8h30min, será realizada uma reunião na Casa Civil com representantes dos órgãos envolvidos com a licitação.
A reforma do Instituto de Educação ficou meses parada devido à rescisão de contrato com a construtora licitada, a Porto Novo Empreendimentos, uma vez que a empresa ficou sem condições financeiras de dar seguimento aos trabalhos. A verba obtida para a reforma expira em fevereiro de 2019 - um dos motivos pelos quais a obra é vista como prioritária pelo governo do Estado, pois, se a reforma não for concluída até esta data, o Estado terá de custeá-la com recursos próprios. Quando da ordem de início, em janeiro de 2016, o orçamento previsto era de R$ 22,5 milhões.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia