Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Direitos Humanos

Notícia da edição impressa de 19/03/2018. Alterada em 19/03 às 09h48min

Evento debate desigualdade de gênero na advocacia; mulheres ganham 52,7% menos

Segundo o Censo da Educação Superior, as mulheres são maioria dentro dos cursos de Direito. Na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), já são 47,8% entre os profissionais registrados. Mesmo assim, de acordo com pesquisa da Catho, a carreira jurídica é a que tem maior diferença salarial de gênero, fazendo com que as mulheres recebam 52,7% menos que os homens. "Isso não significa que tenhamos nossas manifestações respeitadas em reuniões, que sejamos tratadas igualmente, e é isso que pretendemos debater", afirma Márcia Cadore, vice-presidente da Escola Superior de Advocacia Pública da Associação dos Procuradores do Estado do Rio Grande do Sul (Esapergs).
Pensando nisso, Apergs e Esapergs oferecem, hoje, em Porto Alegre, o evento Mulheres na advocacia: conquistas e desafios. A atividade é aberta ao público e começa às 15h, no auditório do Praia de Belas Prime Offices, que tem limitação para 90 lugares. A programação inclui uma homenagem à advogada Cléa Carpi, primeira mulher a presidir a OAB no Estado, e palestra da professora de pós-graduação em Direito Político e Econômico da Universidade Mackenzie Patrícia Bertolin.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia