Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 28/03 às 14h20min

Noticiário corporativo leva maioria das Bolsas da Europa a fechar nas máximas

As principais bolsas europeias fecharam majoritariamente em alta na sessão desta quarta-feira (28), embora as bolsas de Londres e Frankfurt tenham seguido direções opostas, na medida em que notícias setoriais e corporativas dividiram o peso na balança com a força vendedora que pressiona ações de tecnologia desde o pregão de terça. Entre os índices de bolsas de valores com maior relevância na Europa, o de Frankfurt, que encerrou em queda, foi o único a não fechar na pontuação máxima do dia.
O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou com ganho de 0,46%, aos 369,26 pontos. O subíndice de concessões públicas avançou 3,24%, o que, de acordo com relatório da consultoria Brown Brothers Harriman, pode ser "uma consequência de rendimentos mais baixos de títulos soberanos".
Na Bolsa de Londres, o FTSE 100 fechou com avanço de 0,64%, aos 7.044,74 pontos. A ação de maior destaque foi a da empresa do setor de saúde Shire (+13,96%), favorecida pelo anúncio da farmacêutica japonesa Takeda de que está interessada em adquiri-la. Os papéis da farmacêutica britânica GlaxoSmithKline voltaram a subir, desta vez 3,43%, ainda na esteira do anúncio de que vai adquirir uma participação de 36,5% na divisão de cuidados de saúde da Novartis por US$ 13 bilhões.
Ações de mineradoras, por outro lado, sofreram quedas fortes, que o Julius Baer atribui ao desequilíbrio entre oferta e demanda de minérios na China. Foi o caso de Antofagasta (-3,90%), Anglo American (-3,82%) e Glencore (-2,85%).
Em Frankfurt, o DAX 30 encerrou em baixa de 0,25%, aos 11.940,71 pontos. Os papéis da tech Infineon recuaram 4,76%, mas a falta de escoamento de estoques na China pressionou também as ações da siderúrgica Thyssenkrupp (-1,67%). Vale registrar o anúncio de que o índice de confiança do consumidor GfK subiu de 10,8 de março para 10,9 em abril, surpreendendo analistas que previam queda para 10,7.
O CAC-40, principal índice da Bolsa de Paris, avançou nesta quarta 0,29%, para os 5.130,44 pontos. A ação do conglomerado varejista Casino Guichard-Perrachon (+1,00%) segue favorecida pelo anúncio de uma parceria com a Amazon, avaliada como positiva por analistas de mercado.
Em Madri, o Ibex-35 fechou com ganho de 0,86%, aos 9.555,00 pontos. Já o PSI-20, da Bolsa de Lisboa, teve baixa de 0,33%, para os 5.357,78 pontos.
Na Bolsa de Milão, o FTSE MIB encerrou em alta de 0,55%, aos 22.331,36 pontos. Destaque para os papéis da empresa de energia Enel (+3,71%) e os do banco Intesa Sanpaolo (+0,91%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia