Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Balanços

Notícia da edição impressa de 28/03/2018. Alterada em 27/03 às 21h43min

Caixa fechou 2017 registrando lucro recorde

Índice de inadimplência do banco teve redução de 0,6 ponto percentual

Índice de inadimplência do banco teve redução de 0,6 ponto percentual


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
A Caixa Econômica Federal anunciou lucro líquido recorde em 2017, de R$ 12,5 bilhões, 202,6% superior ao registrado em 2016. O lucro líquido recorrente totalizou R$ 8,6 bilhões, alta de 106,9% em 12 meses, e também superou o melhor resultado já alcançado, disse o banco. O retorno sobre o patrimônio líquido recorrente foi de 12,9%, crescimento de 6,3 pontos percentuais em 12 meses.
No quarto trimestre, a Caixa obteve lucro líquido de R$ 6,273 bilhões, 780,2% acima do mesmo intervalo de 2016, quando o lucro líquido somava R$ 713 milhões. Os ativos administrados subiram 1,9% em 12 meses, para R$ 2,176 trilhões no quarto trimestre do ano passado, mas caíram 0,9% frente ao terceiro trimestre. Os ativos totais somaram R$ 1,260 trilhão ao final do quarto trimestre, representando alta de 0,4% em 12 meses.
O patrimônio líquido subiu 12,2% no quarto trimestre ante o mesmo intervalo de 2016, para R$ 71,38 bilhões. O índice de Basileia atingiu 17,7%. O índice de Capital Principal e o de Nível I marcaram 11,2%, mantendo-se acima do mínimo exigido de 6,0% e 7,5%, respectivamente. Os Ativos Ponderados pelo Risco (RWA) totalizaram R$ 529,5 bilhões em dezembro de 2017, redução de R$ 44,6 bilhões.
A carteira de crédito ampla da Caixa Econômica Federal somava R$ 706,27 bilhões ao final de dezembro, representando uma queda de 0,4% se comparado a dezembro de 2016 e retração de 0,8% frente ao terceiro trimestre do ano passado. No informe de resultados, o banco comenta que houve manutenção da participação de mercado em 22,4% na concessão de crédito.
A carteira de crédito pessoa jurídica recuou 23,1% em 12 meses até dezembro de 2017 para R$ 68,1 bilhões, enquanto a carteira de crédito pessoa física cedeu 8,6% no mesmo intervalo comparativo, para R$ 93,68 bilhões. A carteira imobiliária da Caixa cresceu 6,3% em 12 meses até dezembro de 2017 para R$ 431,7 bilhões.
O resultado operacional recorrente alcançou R$ 10,4 bilhões em 2017, avanço de 157,1% em 12 meses, influenciado pelo crescimento da margem financeira em 14,1%, pela redução nas despesas com Provisão para Devedores Duvidosos (PDD) em 4,2%, pelo avanço nas receitas com prestação de serviços em 11,5% e pelo controle das despesas administrativas e de pessoal. As despesas com PDD atingiram R$ 5,8 bilhões, representando uma alta 17,6% em 12 meses até o final do quarto trimestre, enquanto no total do ano somaram R$ 19,27 bilhões, queda de 4,2% em relação a 2016.
O índice de inadimplência encerrou o ano com redução de 0,6 ponto percentual em 12 meses, alcançando 2,25%, "abaixo da média de mercado, de 3,25%, influenciado pela estratégia de melhoria da gestão de riscos", comenta o banco.
 

Banco pagará dividendo de 25% exigido ao Tesouro, diz Occhi

O presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, afirmou durante apresentação do resultado do banco para a imprensa, que a instituição vai pagar o porcentual mínimo exigido de 25% de dividendo ao Tesouro, o que está previsto no balanço e no orçamento. "Não temos alternativa, até porque a Caixa está crescendo", frisou.
Occhi afirmou também que o banco deve entregar este ano resultado semelhante ao recorrente de 2017. Ele comentou ainda que o resultado orgânico virá de melhor utilização do capital do banco. O presidente da Caixa afirmou também que não está nos planos do banco a condução de oferta de ações (IPO) da Caixa Seguridade este ano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia