Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Notícia da edição impressa de 20/03/2018. Alterada em 19/03 às 21h20min

Indicadores avançaram, mas desafios persistem, diz Maia

Presidente da Câmara voltou a defender aprovação de projetos

Presidente da Câmara voltou a defender aprovação de projetos


/TÂNIA RÊGO /ABR/JC
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), defendeu ontem a importância do legado do atual governo e as votações que conduziu na liderança da Câmara, mas que num possível futuro mandato a prioridade é olhar adiante, tendo aprendido com os erros do passado. "Tivemos alguns avanços importantes, principalmente em alguns indicadores econômicos. Mas os desafios ainda são muitos", afirmou Maia.
Maia destacou a importância da votação de projetos no Congresso, como a adoção da taxa de juros TLP em substituição à TJLP nos financiamentos concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) e a recuperação fiscal dos estados. Mas lamentou que a questão da Previdência não tenha sido enfrentada.
"A questão do financiamento de todas as áreas é decisão da sociedade. Tem estado que gasta 13% do PIB em Previdência, em alguns anos vai gastar 18%. A gente nunca consegue enfrentar o tema da forma correta. Se sentar à mesa com governadores, todos serão a favor da reforma da Previdência. Mas nem todos sairão defendendo lá fora", contou Maia, em debate com empresários do grupo Lide-Rio.
O presidente da Câmara citou que entre os itens importantes a trabalhar no País estão a criação de condições para que o setor privado tenha segurança para investir, a reorganização do mercado de plano de saúde e reformas que deem segurança jurídica. "Quem vai querer investir num País que muda a regra do jogo a todo momento?", questionou.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia