Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 20/03/2018. Alterada em 19/03 às 20h28min

Conab faz nova rodada de leilões PEP e Pepro de arroz

Produtores e indústrias da Região Sul que estão com dificuldade para o escoamento de arroz podem participar dos leilões de Prêmio para Escoamento de Produto (PEP) e de Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (Pepro) realizados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). As próximas operações estão marcadas para o dia 27 deste mês.
No PEP, serão ofertadas 90 mil toneladas, sendo 75 mil toneladas para o Rio Grande do Sul e 15 mil toneladas para Santa Catarina. Já no Pepro, o incentivo será para 15 mil toneladas dos gaúchos e 2 mil toneladas dos catarinenses.
Para participar do leilão de Pepro, agricultores e cooperativas precisam estar cadastrados no Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais (Sican). Já no caso do PEP, indústrias e comerciantes de cereais, a compra deverá ser efetuada por produtores ou cooperativas cadastrados no Sican.
No último leilão realizado no dia 15, foram negociadas 38 mil toneladas pelo PEP, o que representa 100% do total ofertado. Já no Pepro, a negociação foi de 14,4 mil toneladas das 32 mil toneladas oferecidas. Em todas as três operações realizadas neste ano, a Conab ofertou 540 mil toneladas de arroz, com negociação de 309,2 mil toneladas. O valor do prêmio alcançou mais de R$ 22 milhões.
Os leilões foram autorizados em portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU) no dia 29 de dezembro, e está previsto um valor aproximado de R$ 100 milhões para as operações. O objetivo é garantir a manutenção dos preços mínimos do cereal na Região Sul e cumprir a Política de Garantia de Preços Mínimos do governo federal.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia