Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

celulose

16/03/2018 - 08h38min. Alterada em 16/03 às 11h32min

Suzano e Fibria se unem para formar nova empresa

A operação consolida as duas maiores empresas de celulose do país e a transforma em líder mundial

A operação consolida as duas maiores empresas de celulose do país e a transforma em líder mundial


FIBRIA/DIVULGAÇÃO/JC
A Suzano e a Fibria vão se fundir, criando uma nova empresa. A informação é do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que por meio da BNDESPar é acionista da Fibria, com 29,08% do capital. A Votorantim possui outros 29,42% e a outra parte das ações está e circulação no mercado (41,44%) e tesouraria (0,06%). O negócio foi acertado em reunião na madrugada desta sexta-feira (16) com participação do BNDES.
A Suzano e a Fibria vão se fundir, criando uma nova empresa. A informação é do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que por meio da BNDESPar é acionista da Fibria, com 29,08% do capital. A Votorantim possui outros 29,42% e a outra parte das ações está e circulação no mercado (41,44%) e tesouraria (0,06%). O negócio foi acertado em reunião na madrugada desta sexta-feira (16) com participação do BNDES.
Com a negociação, o pagamento ao BNDES será parte em dinheiro, cerca de R$ 8,5 bilhões, e ações da nova companhia, "com perspectiva de valorização", segundo o comunicado do banco de fomento. "A operação consolida as duas maiores empresas de celulose do País, e transforma a companhia resultante na líder mundial em celulose de mercado", diz o texto. O valor total a ser pago pela Suzano à Fibria ainda não foi divulgado pela fabricante.
Ainda de acordo com o BNDES, os acionistas minoritários da Fibria receberão dinheiro e ações em mesmas condições dos controladores. A empresa resultante da combinação de negócios seguirá de capital aberto e terá melhorias de governança, como uma política de indicação de conselheiros independentes. "A companhia resultante deverá, por contrato, manter, no mínimo, o mesmo padrão de responsabilidade socioambiental em que as duas empresas já eram referência", conforme o BNDES.
O BNDESPar seguirá com participação relevante, porém minoritária. A fatia não foi informada. O banco explica ainda que a operação é inteiramente garantida por consórcio de bancos privados e que a conclusão do negócio está sujeita à aprovação de agências antitruste.
Maior produtora de celulose do mundo, a Fibria possui 1,056 milhão de hectares de florestas, das quais 633 mil hectares são de árvores de eucalipto plantadas. Uma outra parte - 364 mil hectares - é de áreas de preservação e de conservação ambiental e 59 mil hectares destinados a outros usos. A família Votorantim é dona de boa parte dessas terras e as arrenda para a Fibria.