Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

TraBALHO

Notícia da edição impressa de 16/03/2018. Alterada em 15/03 às 20h34min

Trabalhador gasta R$ 751,00 por mês com almoço

Caso o trabalhador receba um salário-mínimo, montante gasto com alimentação seria de 80%

Caso o trabalhador receba um salário-mínimo, montante gasto com alimentação seria de 80%


AGÊNCIA BRASIL/JC
Almoçar fora de casa está 3,64% mais caro em relação ao ano passado, de acordo com pesquisa da Associação Brasileira das Empresas de Benefício ao Trabalhador (ABBT). O valor médio das refeições no Brasil é de R$ 34,14. No mês, são R$ 751,00. O Sudeste foi a região que apresentou os preços mais elevados, R$ 34,49. O índice teve variação superior ao da inflação registrada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no período, de 2,95%, mas similar ao do segmento "alimentação fora de casa", que teve variação positiva de 3,83%.
A cidade que apresentou o valor mais elevado de refeição foi Florianópolis, em Santa Catarina, com preço médio de almoço registrado em R$ 40,85. Em sequência, aparecem os municípios de Niterói (RJ), com R$ 39,88; Aracaju (SE), R$ 39,43; e Rio de Janeiro (RJ), R$ 38,97. O valor registrado em São Paulo (SP) é similar ao da média nacional: R$ 34,49. Campo Grande (MS) registrou o menor valor dentre as pesquisadas, R$ 26,23.
O valor mensal de alimentação dos trabalhadores foi registrado em R$ 751,00. Como medida de comparação, caso o trabalhador receba um salário-mínimo, R$ 937,00, em 2017, o montante gasto com alimentação seria de 80%. Caso receba dois salários-mínimos, seriam 40%. Com um vencimento de 5 salários-mínimos, o comprometimento da renda seria de 16%. A pesquisa mede os preços de uma refeição completa, que consiste em prato principal, bebida não alcoólica, sobremesa e café.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Fernando Fernandes Dias 16/03/2018 08h18min
Diferença social já começa na barriga. nPorque o trabalhador braçal aquele que produz a riqueza tem um almoço a R$ 3,50/dia e um magistrado a R$ 40,00/dia?!nAcabar com este abismo, significa igualdade e cidadania. nA violência é gerada pela fome e por falta de esperança. Jovens ao verem seus pais desempregados ou desalentados da vida, vão buscar nas oportunidades na vida ilícita.