Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Reforma Trabalhista

Alterada em 14/03 às 16h30min

Maia sugere que 'tempo curto' pode enterrar MP de ajustes na reforma trabalhista

Maia disse que a tramitação da MP está 'um pouco enrolada'

Maia disse que a tramitação da MP está 'um pouco enrolada'


ALEX FERREIRA/CÂMARA DOS DEPUTADOS/DIVULGAÇÃO/jc
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sinalizou nesta quarta-feira (14) que a Medida Provisória 808 - que faz ajustes na reforma trabalhista - pode caducar em breve, se não houver um esforço do governo para que ela seja aprovada pelo Congresso.
Maia disse que a tramitação da MP está "um pouco enrolada" e sugeriu que a proposta estaria tramitando com mais facilidade se o tema tivesse sido apresentado via projeto de lei. "Está me parecendo um tempo muito curto para conseguir avançar na matéria por medida provisória", comentou.
Nesta quarta, a sessão da comissão mista que analisa a MP foi cancelada. Não foi informado o motivo do cancelamento da sessão, tampouco agendada nova data para apreciação de requerimentos dos deputados e senadores.
Sobre as dificuldades do governo para instalar a comissão especial na Câmara que analisa o projeto de privatização da Eletrobras, Maia admitiu que o processo de instalação do colegiado foi mais lento que o normal, mas atribuiu a responsabilidade de início dos trabalhos para a base aliada. A comissão foi instalada na terça-feira (13) após uma tentativa fracassada na semana passada. "Tem de perguntar para o governo o que está acontecendo com a base do governo", disse.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia