Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 07 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

07/03/2018 - 08h36min. Alterada em 07/03 às 11h04min

Decreto altera distribuição de participações governamentais e royalties de petróleo

Norma reafirma que nos casos de estados e municípios os valores sejam creditados em contas específicas

Norma reafirma que nos casos de estados e municípios os valores sejam creditados em contas específicas


ST/agência PETROBRAS/DIVULGAÇÃO/JC
O presidente Michel Temer editou o Decreto 9.302/2018, que altera norma anterior sobre os critérios para cálculo e cobrança das participações governamentais e royalties referentes às atividades de exploração, desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural.
O texto, que está publicado na edição desta quarta-feira (7) do Diário Oficial da União (DOU), detalha como se dará a distribuição desses recursos aos beneficiários, incluindo estados e municípios.
Segundo o decreto, a classificação das receitas arrecadadas será realizada pelo Ministério da Fazenda, por intermédio da Secretaria do Tesouro Nacional, obedecidas as destinações legais, e a execução dessa despesa orçamentária, que compreende empenho, liquidação e pagamento, será realizada sob supervisão do Ministério de Minas e Energia. A Agência Nacional do Petróleo (ANP) é o órgão compete para fazer o cálculo e a apuração dos valores devidos a cada beneficiário.
O decreto também reafirma dispositivo da norma anterior para que, nos casos dos estados e municípios, os valores sejam creditados em contas específicas de titularidade do entes no Banco do Brasil, "observadas as deduções de natureza legal, tributária ou contratual".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia