Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Aviação

Notícia da edição impressa de 07/03/2018. Alterada em 06/03 às 22h13min

Maioria dos bilhetes aéreos vendidos é para a categoria sem bagagem

Mais de metade dos passageiros têm comprado bilhetes aéreos sem pagar pela bagagem. Esse comportamento ajuda a reduzir preços das tarifas e a ampliar o mercado de transporte aéreo. A avaliação é do presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz.
"Assim que houve liberação da franquia de bagagem, todas as empresas criaram uma nova coluna de tarifas com bilhetes mais acessíveis que existiam antes", disse o executivo, em audiência pública no Senado sobre a nova política de cobrança de bagagens.
Aos senadores, Sanovicz citou que clientes que despacham malas seguem comprando bilhetes com direito a esse benefício com valor idêntico ao praticado antes das novas regras. "Quem leva bagagem segue comprando com o preço anterior. Quem compra sem direito a bagagem vai lá na nova coluna (de tarifas)", disse.
O presidente da Abear disse que os clientes que pagam pelo despacho de bagagem como serviço extra são aqueles "que compram esse bilhete mais acessível, mudam de ideia e resolvem trazer uma bagagem". O presidente da associação das empresas aéreas defende que as medidas de abertura do mercado geram efeito com expansão do setor. "Todos os nossos estudos mostram que, quando os preços oscilam 10% para cima, 14% dos consumidores saem do avião. A mesma coisa acontece no sentido contrário. A redução de 10% (na tarifa) traz 14% dos passageiros de volta", disse.
Sanovicz defende que o setor aéreo deve "ganhar musculatura" e se preparar para um ambiente de maior concorrência. "Nosso dever é estarmos preparados, porque a disputa tende a ser mais acirrada", disse. Um dos debates atualmente no governo trata do aumento da participação de capital estrangeiro nas companhias aéreas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia