Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Conjuntura

05/03/2018 - 10h09min. Alterada em 05/03 às 10h12min

Taxa de juros tende a permanecer baixa, diz Ilan

Presidente do BC diz que o cidadão não percebeu o impacto da redução de juros

Presidente do BC diz que o cidadão não percebeu o impacto da redução de juros


MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL/JC
O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, disse, nesta segunda-feira (5), que a taxa de juros no Brasil tende a permanecer baixa, considerando a continuidade do cenário atual de inflação baixa. Citando a queda da Selic de 14,25% ao ano para os atuais 6,75% ao ano, acrescentou que o cidadão ainda não percebeu o impacto da redução na ponta porque as taxas de mercado, embora em diminuição, seguem ainda muito elevadas.
"O cidadão não percebe a queda de juros porque as taxas são altas e precisam cair mais", disse o presidente do BC em entrevista à Rádio CBN. Ilan afirmou, no entanto, que o BC está tomando medidas para reduzir a taxa de juros no mercado. Ele citou como exemplos as medidas que a autarquia vem adotando com relação aos juros incidentes sobre a utilização do crédito rotativo do cartão de crédito e a implantação do Cadastro Positivo.
"Estamos tomando medidas para a queda dos juros na ponta", afirmou o presidente do BC, para quem se taxa básica permanecer baixa e as incertezas em relação à economia continuarem a cair, as taxas de juros deverão diminuir na ponta.
Questionado sobre se a redução da Selic não vai afetar as taxas de administração dos fundos, o presidente do BC disse que o tema é da alçada da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mas fez considerações gerais. "Eu acredito que se o Brasil for conviver com taxas como está hoje, de 6,75% por muito tempo, vamos ter quase que uma revolução no sistema financeiro. Nós nunca convivemos com taxas tão baixas no Brasil. Sempre foram dois dígitos", destacou, acrescentando que se o Brasil ficar por muito tempo com taxas menores, tudo vai ser revisto.
"As taxas bancárias, as taxas de administração dos fundos... tudo isso vai ter que ser revisto. O que nós podemos fazer com as medidas que eu comentei é acelerar estas mudanças. Em vez de demorar alguns anos, podemos tentar que demore um ano, um ano e meio", disse. Para Ilan, se a inflação for mantida no atual patamar, em baixa, não há dívida de que muda tudo no sistema financeiro.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia