Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Conjuntura internacional

01/03/2018 - 13h56min. Alterada em 01/03 às 13h56min

Protecionismo comercial é o 'fim da linha', diz presidente do Fed de Nova Iorque

O presidente da distrital de Nova Iorque do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), William Dudley, criticou em evento na capital paulista nesta quinta-feira, 1º de março, o protecionismo comercial imposto por algumas nações como uma medida para se protegerem da globalização. O dirigente, que tem poder de voto permanente no Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), não fez comentários sobre perspectivas para a política monetária americana.
O presidente da distrital de Nova Iorque do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), William Dudley, criticou em evento na capital paulista nesta quinta-feira, 1º de março, o protecionismo comercial imposto por algumas nações como uma medida para se protegerem da globalização. O dirigente, que tem poder de voto permanente no Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), não fez comentários sobre perspectivas para a política monetária americana.
"Há muitas formas para diminuir os custos da globalização, mas o protecionismo é o fim da linha", afirmou em conferência da qual participa o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, na capital paulista.
Dudley saiu em defesa da globalização e disse que qualquer restrição ao comércio vai reduzir os padrões de vida da população e prejudicar o crescimento da atividade econômica.
"Os países precisam competir melhor, não menos. As barreiras comerciais são um uma forma de preservar os empregos em indústrias menos competitivas ou em declínio. Mas esta não é uma saída. As políticas protecionistas prejudicam a economia e frequentemente produzem mais efeitos negativos", afirmou.
Na opinião de Dudley, há espaço hoje para os Estados Unidos melhorarem seus acordos comerciais. "Temos de usar a habilidade para nos movermos em busca de melhores oportunidades, quando possível, para ajudar a mitigar alguns efeitos adversos causados pelo comércio", disse.
O presidente da distrital de Nova Iorque do Federal Reserve afirmou também que o plano de normalização da política monetária dos Estados Unidos foi bem aceito pelos mercados. Apesar deste comentário, ele não deu perspectivas sobre o futuro das taxas de juros americanas.
Ao comentar sobre o papel da comunicação e da transparência no trabalho do Federal Reserve, Dudley disse que houve avanço neste sentido nos últimos anos, o que ajudou o mercado a se ajustar às mudanças de política da instituição.
"O Federal Reserve pode ajudar a economia global com uma política monetária mais eficaz. Um exemplo é o processo que de normalização do balanço que o Federal Reserve iniciou no último ano. Nós divulgamos nossas intenções e iniciamos o programa que tem sido transparente", disse, sublinhando que a instituição somente desviará do plano em caso excepcional.
Dudley afirmou ainda que o sistema bancário americano está muito "saudável". "É importante que promovamos um sistema financeiro estável e transparente", afirmou.