Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Música

30/03/2018 - 17h01min. Alterada em 30/03 às 17h04min

Para David Byrne, Porto Alegre é 'uma cidade inacabada'

David Byrne iniciou seu giro pelo Brasil com um show no Pepsi on Stage

David Byrne iniciou seu giro pelo Brasil com um show no Pepsi on Stage


MARIANA CARLESSO/JC
Em uma postagem publicada em seu site oficial esta semana, o músico David Byrne definiu Porto Alegre, onde fez um show elogiadíssimo no dia 22 de março, como "uma cidade inacabada".
No texto, publicado na última quarta-feira (28), o escocês, que fez sucesso no comando da banda norte-americana Talking Heads, descreve um passeio de bicicleta que fez pela cidade, acompanhado de sua banda, do grupo de ciclo-ativistas Loop e de um professor de arquitetura.
Byrne posta uma série de fotos e tece comentários sobre alguns dos pontos turísticos que conheceu, como o Centro Administrativo Fernando Ferrari, o Anfiteatro Pôr-do-Sol e a Fundação Iberê Camargo.
Talvez por influência dos seus guias de viagem, o músico vai descrevendo uma cidade que parece não ter sido finalizada – seja por conta dos trilhos do aeromóvel que nunca funcionou no Centro Histórico, pelo fato do imponente prédio da Fundação Iberê Camargo só abrir aos finais de semana, ou ainda ao observar que o terminal de passageiros do Aeroporto Internacional Salgado Filho, que estava sendo construído, já está sendo demolido.
Byrne elogia o fato de que ciclovias estão sendo construídas na cidade – mas lamenta o fato delas serem fruto de alguma resistência, comentando brevemente o caso do atropelamentos de 17 ciclistas do grupo Massa Crítica, ocorrido em 2011.
Problemas ambientais da cidade, presente em canções de Byrne como (Nothing but) Flowers, também são citados no texto – como a poluição do Guaíba e as construções irregulares do Morro Santa Tereza.
O músico também descreve alguma preocupação com a casa de shows onde iria se apresentar naquela noite, o Pepsi on Stage, descrito como uma espécie de hangar com vigas expostas nas laterais. Mas descreve que "o entusiasmo do público mais do que compensou quaisquer deficiências do espaço". No show, sua grande banda se movimenta intensamente por um palco vazio, dançando, encenando e tocando canções novas e grandes sucessos de Byrne, como I Zimbra, Once in a LifetimeToe Jam. 
O post, em inglês, pode ser acessado aqui.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia