Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Dom Jaime Spengler

A voz do Pastor

Notícia da edição impressa de 22/03/2018. Alterada em 21/03 às 20h49min

A Semana Maior

Estamos iniciando as celebrações da Semana Santa. Em vários lugares de nosso Brasil esse tempo é marcado por diferentes tradições. Por vezes se torna difícil distinguir o popular do oficial, ou seja, daquilo que constitui a liturgia da Igreja.
A Semana Santa - também denominada a Semana Maior ou a Grande Semana - tem início com o Domingo de Ramos, que recorda a entrada triunfal de Jesus na cidade de Jerusalém.
A Quinta-Feira Santa é marcada por duas celebrações. A primeira é a Missa do Crisma, quando o clero, reunido ao redor do bispo diocesano, renova suas promessas sacerdotais e são abençoados os Óleos do Batismo, dos Enfermos e do Crisma. A segunda ocorre à noite na Celebração do Lava-Pés, durante a qual se faz memória da instituição da Eucaristia, do Ministério Ordenado e do Mandamento do Amor.
A Sexta-Feira Santa faz memória da Paixão e Morte de Jesus Cristo. Durante este dia, a Igreja não celebra a Eucaristia. A celebração litúrgica é marcada pelo rito da Palavra, a Oração em prol das grandes causas da Igreja e da humanidade, a Adoração da Cruz e a distribuição da Eucaristia.
O Sábado-Santo é marcado por uma vigília. Durante a noite, a comunidade participa da Benção do Fogo e da Água Batismal, renova as promessas do Batismo e acolhe, onde houver, novos membros, através da administração do Sacramento do Batismo. Durante a celebração da Liturgia da Palavra, composta de nove leituras intercaladas por salmos, se faz memória dos grandes feitos de Deus ao longo da História da Salvação, cujo ápice é a ressurreição de Jesus Cristo.
O Domingo da Páscoa é celebração solene da Ressurreição do Senhor e recorda o testemunho de quem fez a experiência do Ressuscitado: João, Madalena e os discípulos.
As celebrações da Semana Santa permitem à comunidade de fé atualizar os mistérios da redenção humana. Durante estes dias, vivemos o ápice do caminho realizado por Jesus de Nazaré - o homem que "passou por entre nós fazendo o bem" (At 10, 38) e que "fazia bem todas as coisas" (Mc 7,37).
Seu modo de ser e de viver é expressão do amor que atravessa toda a história das relações entre Deus e a humanidade.
No centro das celebrações da Semana Santa está o Mistério da Cruz. Tal dado exige a apresentação da questão: há, ainda, disposição para contemplar a Cruz e seu Mistério de sofrimento, dor e morte?
Quando em amplos setores da sociedade se constata a "perda de sentido" da vida e da morte, das relações humanas e sua promoção, da dignidade e valor do ser humano, não importando condição social, sexo, credo, cor, raça ou proveniência, somos exortados a focar nossa atenção no núcleo da fé cristã: "Deus amou tanto o mundo que deu o seu Filho único, para que todo aquele que Nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Ele" (Jo 3,16-17).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Dorian R. Bueno 28/03/2018 11h22min
OVOS DE PÁSCOA!!!nnO clima da Páscoa já está bem pertinho de nós, e acredito que todos de alguma forma sabem o significado desta data cristã. O que me inspirou para compartilhar com os irmãos este tema são os OVOS DE PÁSCOA, o consumismo que a data gera nas pessoas. Dar uns abraços, uma palavra de conforto, um perdão que estava trancado a tempo também são presentes que confortam os irmãos em nome de Jesus, e não engordam. Tenho notado há alguns dias a decoração das ilhas dos supermercados com seus diversos tipos de ovos de chocolates multicoloridos, estão maravilhosos e em fase de concentração, devidamente alinhados e pendurados sobre a cabeça de quem passa. Muitas pessoas estão sendo magnetizadas por este ambiente atraente, olhando devagarinho para ver as marcas, sentir o aroma e tamanhos destes ovos, dá vontade de sair devorando. Mas a cada ano que passa o preço deixa de ser doce e começa a ficar muito salgado para nossa gula. Conforme o ângulo que direcionamos o nosso olhar começamos a pensar qual o número que vamos comprar. A nossa atitude parece de uma empresa multinacional avaliando o resultado dos seus colaboradores que são somente um número na organização. Refleti bastante sobre outras situações bem piores, mas ainda fiquei com dúvida se o povo fez suas contas para ver se podem comprar um ovo, dois ovos, três ovos que poderiam caber no tamanho do seu orçamento, ou seja, o que DEUS quiser AMÉM. Abs. Dorian Bueno, POA, 28.03.2018 nn