Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de março de 2018.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

transporte

Notícia da edição impressa de 22/03/2018. Alterada em 21/03 às 19h39min

PIB Agropecuário beneficia serviços hidroviários

Serviços aquaviários apresentaram demanda superior graças à forte expansão das riquezas colhidas no campo

Serviços aquaviários apresentaram demanda superior graças à forte expansão das riquezas colhidas no campo


/MARCO QUINTANA/JC
O crescimento de 13% do PIB agropecuário em 2017 extrapola, como fator multiplicador, os termos da agricultura e da pecuária. Um dos segmentos beneficiados com a expansão do setor foi o de serviços aquaviários, ou hidroviários.
Nos últimos 12 meses encerrados em janeiro, essa modalidade de transporte de mercadorias e de passageiros por barcos, navios ou balsas cresceu 18,7%, segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para o economista da RC Consultores Marcel Caparoz, o transporte aquaviário cresce muito puxado pelo escoamento da produção de grãos, especialmente na Região Centro-Oeste.
"Isso aconteceu principalmente em Mato Grosso, na região do Arco Norte", diz o economista. Nesta região, segundo o Ministério da Agricultura, os portos estão, cada vez mais, ganhando importância no escoamento de soja. Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, só em Mato Grosso os serviços aquaviários cresceram 17,5% entre fevereiro de 2017 e janeiro deste ano.
"Isso é agronegócio, principalmente nesse processo de escoamento dos grãos voltados à exportação. É o setor agropecuário que cresce no País, como vimos no PIB do ano passado, e se reproduz na pesquisa de serviços", disse Caparoz.
A região do Arco Norte, segundo o economista da RC Consultores, vem ganhando importância no transporte de milho e soja em relação aos portos do Sul e Sudeste do País, com as barcaças subindo e descendo pelos rios Tapajós e Madeira até Barcarena e Santarém, no Pará.
De acordo com Caparoz, Mato Grosso exportou 16,2 milhões de toneladas de soja nos últimos 12 meses. "Metade deste volume foi exportada pelo porto de Santos. Os outros 8 milhões de toneladas foram exportados lá por cima, por Barcarena, Santarém e Manaus. Esse transporte está subindo por barcaças até Barcarena e Santarém, perto de Belém. Ali é feito o transbordo para navios que saem para cruzar o canal do Panamá rumo à China", afirmou.
Também puxados pelo escoamento da safra de grãos, os serviços aquaviários cresceram 4,9% no Paraná nos últimos 12 meses encerrados em janeiro. Naquele estado, o crescimento se deu via exportações a partir do porto de Paranaguá, segundo o economista da RC Consultores. "É um bom crescimento também", diz Caparoz. Em 2017, o PIB agregado cresceu 1% em relação ao ano anterior. O PIB agropecuário avançou 13%, o industrial fechou zerado, e o de serviços mostrou ligeira expansão, de 0,3%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia