Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Polícia Federal

Notícia da edição impressa de 28/02/2018. Alterada em 27/02 às 23h31min

Jungmann demite Segovia da diretoria-geral da PF

Declarações sobre investigação a Temer custaram cargo a Fernando Segovia

Declarações sobre investigação a Temer custaram cargo a Fernando Segovia


JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC
Em seu primeiro dia à frente do novo Ministério da Segurança Pública, o ministro Raul Jungmann (PPS) decidiu mexer no comando da Polícia Federal (PF), substituindo Fernando Segovia por Rogério Galloro no cargo de diretor-geral da corporação. Ex-diretor executivo da PF, Galloro é o atual secretário nacional de Segurança Pública.
Desde o início do mês, quando concedeu uma entrevista à Agência Reuters afirmando que, no inquérito em que o presidente Michel Temer (PMDB) e outros acusados são investigados pela PF, os "indícios são muito frágeis", sugerindo que o inquérito "poderia até concluir que não houve crime", Segovia vinha sofrendo críticas e sendo alvo de questionamentos.
Ontem, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso uma medida judicial para que Segovia se abstivesse de "qualquer ato de ingerência sobre a persecução penal em curso", inclusive de manifestações públicas a respeito das investigações em curso, sob pena de afastamento do cargo. 
Segovia foi pego de surpresa com o anúncio de sua destituição do cargo. Ele disse a interlocutores que só soube da notícia de sua queda por meio do noticiário, e afirmou que havia participado de uma reunião de quase três horas com Jungmann, na tarde de ontem, mas que sua saída da direção não havia sido mencionada.
Na PF desde 1995, Galloro é Bacharel em Direito desde 1992 e tem MBA em Gestão de Políticas de Segurança Pública e especialização pela UnB em Relações Internacionais. Ele começou sua carreira na Polícia Federal como delegado em 1995 e atuou em unidades de repressão a drogas, crimes fazendários e de inteligência policial.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia