Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 25 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

Notícia da edição impressa de 26/02/2018. Alterada em 25/02 às 22h31min

MP de Ministério da Segurança pode sair amanhã, diz Perondi

O novo Ministério Extraordinário da Segurança Pública será criado por meio de medida provisória (MP) a ser publicada no Diário Oficial da União de amanhã, "provavelmente". O anúncio foi feito ontem pelo vice-líder do governo na Câmara, deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), que participou de reunião neste domingo no Palácio do Jaburu com o presidente Michel Temer (PMDB) e ministros.
Segundo Perondi, o texto da MP foi fechado nesta reunião e o objetivo da nova pasta é promover a interação da segurança pública da União com todos os estados.
O deputado informou que a criação do ministério será anunciada nesta segunda-feira, e ele terá uma "estrutura própria, enxuta e bem operacional". Questionado sobre o nome do titular da nova pasta, Perondi disse que ainda não tem o nome do ministro. "Existem homens qualificados, preparados, estudiosos e precisa escolher um. São nomes técnicos e bons. Pior se tivesse uma opção só", afirmou. "Uma atitude de cada vez. Amanhã sai a criação do ministério", completou.
Perondi explicou que o ministério será extraordinário enquanto durar o mandato do presidente Temer e que o próximo presidente da República poderá torná-lo efetivo.Ele disse ainda que os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), "cooperam e vão continuar cooperando nessa decisão de integrar a segurança pública definitivamente". "É óbvio que vão continuar cooperando", reforçou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia