Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

STF

Alterada em 23/02 às 16h23min

Toffoli diz que Supremo é um órgão político, mas não partidário

Em debate sobre transparência do Judiciário na capital paulista nesta sexta-feira (23) o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli declarou que a corte é um órgão político, mas não partidário.
"Toda corte constitucional é um órgão com função técnico-política", afirmou, ao responder perguntas na Escola de Direito de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas (FGV). "Política não é político partidária ou ideológica."
O ministro lembrou que já foi advogado do PT e de movimentos sociais de esquerda. "Já julguei contra o partido e contra movimentos sociais, porque o juiz não pode ter desejo. Se você quer ter desejo, vai para outro lugar."
Para ele, o Supremo é um poder constituinte permanente que está revendo pactos da sociedade o tempo todo. "Isso é política ou não é?", declarou.
Em sua fala, o ministro criticou o excesso de judicialização no País e afirmou que é preciso rever o sistema de repercussão geral, modelo de julgamentos levados ao STF que repercute em ações semelhantes.
"O Supremo não pode ser julgador de tudo, se não vamos acabar com todas as instâncias e acabar com o Supremo", declarou. "Por isso temos que repensar a repercussão geral", argumentou, sem detalhar uma proposta.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia