Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

stf

Notícia da edição impressa de 23/02/2018. Alterada em 22/02 às 20h36min

Câmara deve apreciar teto após votação no STF, diz Rodrigo Maia

Em visita ao Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu que a casa só analise o projeto que regulamenta o teto remuneratório do setor público após o julgamento do auxílio-moradia pago a juízes, marcado para 22 de março.
A ministra do STF, Cármen Lúcia, fez uma apresentação sobre a situação remuneratória de cada um dos tribunais do País. A expectativa de Rodrigo Maia é que a comissão especial responsável por analisar o projeto que regulamenta o teto remuneratório do setor público vote o parecer do deputado Rubens Bueno (PPS-PR) em março.
"Já estamos há meses conversando sobre esse tema. Hoje (ontem), a presidente fez uma apresentação com a situação de cada um dos tribunais. O que é remuneração, o que é dívida, o que é indenização", ressaltou.
Maia explicou que tanto o Supremo quanto o Ministério Público Federal (MPF) têm ajudado com dados sobre os pagamentos feitos aos servidores. Para o presidente da Câmara, quanto maior for o número de informações sobre a realidade dos tribunais, maior a chance de aprovar um projeto capaz de "não inviabilizar o exercício de nenhum Poder".
O presidente da Câmara Federal conversou com jornalistas ao deixar o Supremo Tribunal Federal (STF), onde se encontrou com a presidente da corte, ministra Cármen Lúcia, e com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia