Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 22/02/2018. Alterada em 21/02 às 21h04min

Busatto pede a vereadores aprovação de projetos para diminuir déficit da Capital

Diego Nuñez
O secretário municipal da Fazenda, Leonardo Busatto, disse ontem, durante a sessão plenária na Câmara de Porto Alegre, que a situação financeira da prefeitura só vai melhorar se forem adotadas medidas que, de acordo com ele, necessariamente precisarão ser aprovadas pelos vereadores. A afirmação foi feita durante uma explanação em que o secretário falou sobre a projeção de déficit de R$ 708 milhões na prefeitura, prevista no Orçamento de 2018, votado pelos parlamentares no ano passado.
O secretário da Fazenda reiterou que as medidas de saneamento incluem mudanças na estrutura da despesa de pessoal, revisão da planta de valores para o cálculo do IPTU, autorização para Parcerias Público-Privadas (PPP) para investimentos, venda de imóveis de propriedade da prefeitura e a reforma da Previdência municipal; alguns desses foram apresentados pelo Executivo no ano passado, mas não obtiveram o aval da Câmara.
Segundo os números apresentados por Busatto, em 2017, após a previsão de déficit de RS 815 milhões, "colocamos em prática o plano de contenção de gastos fazendo com que o ano encerrasse com déficit de R$ 331 milhões". Outros dados destacados pelo titular da Fazenda dizem respeito às receitas municipais. Busatto comemorou um aumento na arrecadação do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) e do ISS (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza). Respectivamente, de 2016 para 2017, as receitas variam em uma arrecadação de R$ 404,4 para R$ 453 milhões e de R$ 849,6 para R$ 876,1 milhões.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia