Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 15/02/2018. Alterada em 14/02 às 20h23min

Estágios de cara nova no Estado

Franklin Ribeiro
Março será marcado por uma mudança relevante no processo de agenciamento de estágios no governo do Rio Grande do Sul. A Rede Nacional de Aprendizagem, Promoção Social e Integração (Renapsi) assumirá a gestão de 6.500 contratos dos níveis médio, técnico e superior, que ficavam a cargo da Fundação de Desenvolvimento para os Recursos Humanos (FDRH). Além de representar uma economia de R$ 2,250 milhões anuais aos cofres públicos - já que durante a gestão da FDRH, o Estado repassava à instituição um percentual de 8% sobre o valor dos recursos aplicados nas bolsas de estágios e agora, com o novo contrato, pagará um percentual de 1.58% à Rede -, a novidade traz evolução. A empresa se destaca pela inovação em sua plataforma online.
O sistema possibilita novas formas de encontrar e concorrer a vagas. Nele, cada secretaria poderá fazer adesão e a contratação de forma mais simples e ágil, sem a necessidade de envio imediato de documentos em papel, como era realizado até então pela FDRH. O software de gestão também facilitará a realização dos procedimentos administrativos das instituições de ensino, das unidades concedentes e dos próprios estagiários. Além disso, há um espaço na nuvem para o acompanhamento da evolução do estagiário, uma prerrogativa da Lei do Estágio.
A Rede é uma entidade não governamental, sem fins lucrativos, que atua há mais de 25 anos em prol dos jovens, sendo que há mais de quatro anos desenvolvem atividades no Estado diretamente. Presente em 23 estados brasileiros, ela é executora e agente articuladora de entidades que têm como vocação atividades socioassistenciais. Também integra a Rede Pró-Aprendiz e a Rede Pró-Estágio Brasil, proporcionando inclusão laboral juvenil, visando à qualificação profissional e a geração de renda por meio de programas de socioaprendizagem, socioeducativos, estágio e uma série de ações de promoção social.
Gerente regional da Rede Nacional de Aprendizagem, Promoção Social e Integração (Renapsi)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Isabel 15/02/2018 10h31min
"Conforme reportagem da revista Veja , Carlos Lupi teria viajado em um avião privado, alugado pelo dono das ONGs Pró-Cerrado e a Renapsi, Adair Meira." Que curioso. O jornal poderia avaliar melhor este assunto?