Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Concursos

Notícia da edição impressa de 01/03/2018. Alterada em 01/03 às 10h48min

União abrirá concursos para PF e PRF em 2018

Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal terão 500 vagas cada uma em 2018

Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal terão 500 vagas cada uma em 2018


Polícia Federal/Divulgação/JC/
O ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, anunciou ontem, ao apresentar sua equipe, que foi autorizado a abrir concursos para as polícias Federal (PF) e Rodoviária Federal (PRF), com 500 vagas para cada corporação. A promessa é que os certames sejam realizados ainda em 2018. Ele informou que o orçamento da nova pasta será de R$ 2,7 bilhões. Após reunião com o Ministério do Planejamento, ficou decidido que não haverá contingenciamento das verbas do órgão.
Questionado sobre se o governo estaria preparado em caso de novos pedidos de intervenção federal, como já ocorre no Rio de Janeiro, Jungmann ressaltou que é preciso "muita moderação" e que não vê outro quadro onde a medida seja necessária. "O Rio de Janeiro tem 830 comunidades sob controle do crime organizado, tráfico e milícias. Temos uma crise econômica, fiscal, moral e de segurança. O Rio vive situação que exigiu que se tomasse alguma providência. Eu não vejo uma situação que demande uma outra intervenção", disse.
Jungmann observou que o presidente Michel Temer vai se reunir hoje com governadores para discutir ações de segurança. Além disso, anunciou que vai marcar um encontro dos ministros de Segurança de todos os países da América do Sul para discutir a situação das fronteiras, e defendeu que uma autoridade do continente coordene a discussão do tema.
O novo ministério reúne a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária e a Secretaria Nacional de Segurança Pública, órgãos antes vinculados ao Ministério da Justiça. Uma vez que diversas ações de segurança são realizadas pelos governos estaduais, ficará a cargo da nova pasta também a articulação das políticas de combate ao crime. Outra atribuição será a gestão dos presídios sob responsabilidade do governo federal.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia