Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

01/03/2018 - 08h17min. Alterada em 01/03 às 08h18min

Ibovespa fecha o pregão em queda de 1,82%

O Ibovespa acelerou o ritmo de queda na última hora do pregão ontem, largando de vez o patamar dos 86 mil pontos em torno do qual ficou oscilando na maior parte da sessão de negócios. O movimento espelhou o mau humor vindo de seus pares em Wall Street, cujos índices foram pressionados pelo sentimento de cautela dos investidores diante da divulgação, amanhã, de dados sobre gastos de consumo e mais um depoimento de Jerome Powell, novo presidente do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos.
O Ibovespa acelerou o ritmo de queda na última hora do pregão ontem, largando de vez o patamar dos 86 mil pontos em torno do qual ficou oscilando na maior parte da sessão de negócios. O movimento espelhou o mau humor vindo de seus pares em Wall Street, cujos índices foram pressionados pelo sentimento de cautela dos investidores diante da divulgação, amanhã, de dados sobre gastos de consumo e mais um depoimento de Jerome Powell, novo presidente do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos.
O índice à vista encerrou em baixa de 1,82%, aos 85.353 pontos. Com as perdas desta quarta-feira, o Ibovespa ainda encerrou fevereiro com uma valorização de 0,52% e acumula alta de 11,72% em 2018. Em todo ano passado, o percentual de valorização foi de 26,8%.
Na maior parte do dia, as commodities ditaram o movimento de perdas lá fora com influência no mercado acionário doméstico. O recuo tanto do minério de ferro quanto do petróleo infringiu perdas para os papéis de empresas correlatas.
O dólar fechou em leve baixa ante o real, na contramão da direção da divisa no mercado externo. A moeda à vista terminou o dia cotada a R$ 3,2415, em queda de 0,24%. O volume de negócios somou US$ 922,5 milhões, segundo dados da B3. Com o resultado, a moeda norte-americana encerrou fevereiro com alta de 1,58%.