Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Construção Civil

Notícia da edição impressa de 01/03/2018. Alterada em 28/02 às 22h52min

Ociosidade da construção atinge menor nível desde 2015

A ociosidade da indústria da construção recuou, em janeiro, para 40%, nível que, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), é o menor desde julho de 2015. Segundo a sondagem divulgada ontem pela entidade, o nível de utilização da capacidade de operação marcou 60% em janeiro.
Apesar de estar três pontos percentuais abaixo da média histórica para o mês, este percentual está dois pontos acima do registrado em dezembro e cinco pontos acima do registrado em janeiro do passado. O nível de atividade e o número de empregados registraram queda em janeiro, atingindo, respectivamente, 45,6 e 43,9 pontos. Esses indicadores variam de 0 a 100. Valores acima de 50 indicam crescimento e abaixo, queda. Em relação a janeiro de 2017, os indicadores cresceram, respectivamente, 6,3 e 5,5 pontos.
O Índice de Confiança do Empresário da Construção caiu, passando de 57 pontos em janeiro para 56,3 pontos em fevereiro. De acordo com a CNI, o fato de o índice seguir acima dos 50 pontos "sinaliza confiança dos empresários do setor da construção".
O indicador de expectativa caiu 1,6 ponto, atingindo 59,8 pontos. O indicador de condições atuais aponta para piora das condições correntes de negócio, mantendo-se estável em 49,1. O indicador de intenção de investimento permaneceu estável em 32,1 pontos em fevereiro. Quanto maior o índice, que varia de 0 a 100, maior é a intenção de investimento.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia