Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Negócios Corporativos

Notícia da edição impressa de 28/02/2018. Alterada em 27/02 às 21h07min

Laticínio Itambé recorre a arbitragem contra a Vigor

A Itambé abriu uma nova disputa contra a Vigor acusando a antiga sócia de "roubar" um contrato de venda de leite em pó para a Venezuela. A empresa mineira pede um ressarcimento de R$ 400 milhões. A arbitragem, iniciada nesta semana, é mais um capítulo da guerra entre duas gigantes do setor lácteo: a francesa Lactalis, que comprou a Itambé, e a mexicana Lala, que adquiriu a Vigor.
No novo processo, a Itambé relata que passou a vender leite em pó para a Venezuela em dezembro de 2013, após a J&F fechar um contrato para fornecer carne, frango e leite para o país de Nicolás Maduro. Holdins dos irmãos Joesley e Wesley Batista, a J&F é a antiga controladora da Vigor.
O negócio foi fechado diretamente por Joesley, que recebeu uma missão da Venezuela chefiada por Diosdado Cabello, um dos homens fortes do chavismo. Joesley teria sido apresentado a Cabello pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Como a Vigor não produz leite em pó, o contrato foi repassado à Itambé, que fornecia diretamente ao governo da Venezuela e pagava uma comissão de 3% para a J&F. A Itambé recebia US$ 5,8 mil por tonelada do produto, o equivalente a R$ 20 mil.
Em junho de 2015, o contrato com a Venezuela foi transferido para a Vigor, que comprava o leite em pó da Itambé e de outros laticínios brasileiros. A Vigor passou a pagar à Itambé R$ 12 mil por tonelada, preço praticado no mercado interno.
Segundo pessoas que acompanham de perto o assunto, mas que pediram anonimato, a carga de leite em pó saía direto da fábrica da Itambé em Uberlândia (MG) para o porto de Santos (SP) e sequer passava pelas instalações da Vigor.
O esquema perdurou por oito meses. A Itambé, agora, cobra da Vigor a diferença entre os preços internacional e doméstico no período, o equivalente a cerca de R$ 400 milhões.
O argumento da empresa mineira é que a Lei das Sociedades Anônimas impede o acionista controlador de se apropriar de uma boa oportunidade de negócio da sua controlada. Embora tivessem partes iguais no negócio, o voto de minerva em decisões polêmicas era da Vigor.
Essa é a quarta disputa judicial entre Vigor e Itambé, que começou quando a Lala adquiriu a Vigor da J&F. Quando fecharam o negócio, os mexicanos também pretendiam levar a Itambé, que pertencia 50% à Vigor e 50% à CCPR (Cooperativa de Produtores Rurais de Minas Gerais).
Mas não conseguiram, porque a cooperativa exerceu seu direito de preferência, recomprou a parte dos irmãos Batista na Itambé e vendeu a empresa no dia seguinte para a Lactalis. A Lala, agora, acusa a CCPR de romper o acordo de acionistas por não ter informado ao seu sócio, a Vigor, que também pretendia vender sua parte na Itambé.
O imbróglio já rendeu uma arbitragem privada e duas disputas na Justiça, que correm em sigilo. Até agora, o negócio entre a CCPR e a Lactalis não foi concretizado. Procuradas, Vigor, Itambé e J&F não se pronunciaram.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia