Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 28/02/2018. Alterada em 27/02 às 21h02min

Opinião econômica: Insustentável

Delfim Netto foi ministro, embaixador e deputado federal

Delfim Netto foi ministro, embaixador e deputado federal


/VALTER CAMPANATO/abr/jc
Delfim Netto
É um fato reconhecido que o problema do atendimento às necessidades básicas da população, como segurança coletiva, saúde, educação, habitação, saneamento e mobilidade urbana, é agravado pela falta de recursos e pela baixa qualidade dos serviços públicos.
Quem tem alguma experiência, por exemplo, com a administração da educação nas escolas públicas de primeiro e segundo graus sabe que ela depende essencialmente das qualidades e do preparo dos seus diretores. Quando eles têm competência para manter a ordem, fazer-se respeitar, fazer respeitar os professores e atrair a atenção das famílias dos alunos, floresce uma cooperação e uma solidariedade que eleva a qualidade da educação.
É claro que as condições físicas da escola e a satisfação dos professores com a sua nobre profissão são condições necessárias, mas a condição suficiente é a capacidade de cooptação do diretor produzida por seu preparo e personalidade. Ele e os professores precisam de uma boa carreira, salários razoáveis e uma aposentadoria digna, hoje fortemente prejudicados pelos espantosos gastos com salários e aposentadorias da alta burocracia não eleita que controla o Estado.
Um exemplo disso são os gastos médios com aposentadorias pagas durante o exercício de 2016. Se a aposentadoria média paga pelo INSS for usada como unidade de medida, o "teto" do sistema é igual a quatro vezes a média, ou seja, quem se aposenta com o maior valor do INSS recebe, aproximadamente, o que recebem quatro aposentados médios. O servidor humilde do Poder Executivo recebe, em média, a soma de seis aposentados médios do INSS e os servidores militares, oito.
A partir daí, há uma enorme descontinuidade: Ministério Público, com média igual a 15 vezes a média do INSS; Judiciário, com média igual a 21; e Legislativo, com média igual a 23 vezes a média do INSS. Em um mês, recebe o que um trabalhador ganha em dois anos! Na média geral, uma aposentadoria do setor público é equivalente à aposentadoria de 13 participantes do setor privado. Em 2050, teremos 2 trabalhadores para sustentar um aposentado. Lá vamos lembrar de Temer, pois a demografia não perdoa!
Economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia