Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Finanças

Notícia da edição impressa de 22/02/2018. Alterada em 22/02 às 01h34min

Poupança cresce na preferência do investidor

Aplicações nas cadernetas somaram R$ 665,7 bilhões no período

Aplicações nas cadernetas somaram R$ 665,7 bilhões no período


/FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
Depois de cair 1% há dois anos, as aplicações em cadernetas de poupança deram uma reviravolta, no ano passado, com expressivo crescimento de 9% e montante no valor de R$ 665,7 bilhões. Em 2016, o volume de captações tinha aumentado apenas 1%. Foi o segundo tipo de investimento mais procurado pelos brasileiros, segundo aponta o relatório divulgado ontem pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima).
O levantamento mostra que, paralelamente ao processo de retomada da economia e de queda gradual na taxa de juros básica da economia - a Selic -, os fundos de investimentos lideraram a preferência, com alta de 27%, alcançando R$ 984,5 bilhões, enquanto os títulos e valores mobiliários caíram 1%, somando R$ 912 bilhões.
No total, as aplicações em produtos financeiros somaram R$ 2,7 trilhões, valor 11,8% superior ao registrado em 2016, e referem-se aos investimentos das 73,7 milhões de contas dos segmentos de varejo e de private banking das instituições do País.
De acordo com a análise técnica da Anbima, o recuo de 1% nos investimentos em títulos e valores mobiliários reflete a posição de desvantagem na rentabilidade diante da "recente mudança regulatória (que) afetou o acesso aos papéis".
Quanto à liderança dos fundos de investimentos, o presidente do Comitê de Varejo da Anbima, José Rocha, justificou que, com a queda dos juros, os investidores estão migrando para opções mais diversificadas, inclusive com mais risco. "O resultado reflete a procura cada vez maior dos investidores por produtos mais sofisticados, com mais riscos envolvidos, principalmente entre o varejo alta renda, como efeito da queda dos juros."

Brasil ganhou mais de 5 mil milionários em 2017, mostra levantamento da Anbima

O número de milionários no Brasil cresceu em 2017, quando 5.385 pessoas passaram a ter mais de R$ 1 milhão investidos no País, alta de 4,8% em relação ao ano anterior. Ao todo, o Brasil conta com 117.421 investidores nesse patamar.
O grupo é atendido pelo segmento de "private banking" e tem aplicados R$ 964 bilhões. Esse número equivale a 36% de todo o investimento de pessoas físicas no País, que totalizou, em dezembro, R$ 2,658 trilhões, segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima).
"O volume de recursos desse público cresceu 15,9%. É um crescimento bastante robusto e foi acima da média do CDI do período. A previdência privada manteve a expansão, mas também tivemos um avanço grande dos fundos, em especial o de ações", diz João Albino, presidente do comitê executivo de private banking da Anbima.
Esses clientes estão divididos em grupos econômicos, termo que os bancos usam para se referir à administração de recursos de uma mesma família. São 56.619 grupos econômicos, e a média de aplicações é de R$ 17 milhões.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia