Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

França

21/02/2018 - 17h22min. Alterada em 21/02 às 17h41min

Agricultores na França protestam contra acordo da UE com Mercosul

Manifestantes temem que a carne da América do Sul entre com força no mercado europeu

Manifestantes temem que a carne da América do Sul entre com força no mercado europeu


CHARLY TRIBALLEAU/AFP PHOTO/DIVULGAÇÃO/JC
Milhares de representantes do agronegócio francês realizaram nesta quarta-feira (21) protestos por toda a França contra o acordo comercial que está sendo negociado entre a União Europeia e o Mercosul. Eles temem a concorrência da carne da América do Sul, que deve chegar fortemente ao mercado europeu caso o acordo entre os dois blocos econômicos se concretize.
Sem tarifas aduaneiras, estima-se que entre 70 mil e 99 mil toneladas de carne bovina sul-americana sejam importadas pela Europa anualmente. Agricultores e pecuaristas conduziram tratores por ruas de cidades francesas como Lille, no norte do país. Em alguns lugares, os manifestantes despejaram estrume e palha nas ruas.
O acordo comercial entre União Europeia e Mercosul se arrasta há anos. No entanto, uma reunião que ocorre nesta semana em Assunção, capital paraguaia, pode selar o negócio.
No final de janeiro, o presidente francês Emmanuel Macron disse ter expressado ao presidente argentino Mauricio Macri suas preocupações em relação ao acordo -sobretudo por conta do comércio da carne bovina.
Os dois líderes se encontraram em Paris, no dia 26. "Está claro que (o acordo) será um desafio, sobretudo para o setor bovino, porque permitirá a entrada de volumes de carne sul-americana nos países europeus sem tarifas aduaneiras", disse Macron na ocasião.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia