Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 20/02 às 14h31min

Bolsas da Europa fecham em geral em alta, mas Londres cai após balanços

As principais bolsas europeias fecharam em sua maioria em alta nesta terça-feira (20). Após algumas praças oscilarem perto da estabilidade mais cedo, quase todas se firmaram em território positivo, com foco em balanços. Em Londres, porém, o quadro foi mais negativo, por causa de resultados corporativos importantes que frustraram a expectativa.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em baixa de 0,60%, em 380,51 pontos. Na agenda de indicadores, o índice de confiança dos consumidores da zona do euro recuou de 1,4 em janeiro a 0,1 na preliminar de fevereiro.
Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal esperavam recuo menor, para 1,0. O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) da Alemanha subiu 0,5% em janeiro ante dezembro, com alta de 2,1% na comparação anual. O índice ZEW de expectativas econômicas, por sua vez, caiu de 20,4 em janeiro a 17,8 em fevereiro, ante previsão de baixa para 16,0 dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal.
Na Bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em queda de 0,01%, em 7.246,77 pontos. Entre as ações em foco, HSBC caiu 3,2%, após divulgar que teve lucro líquido de US$ 9,68 bilhões em 2017, bem acima do ganho de US$ 1,3 bilhão do ano anterior, com receita anual de US$ 51,45 bilhões, de US$ 47,97 bilhões em 2016. Os resultados do banco, porém, frustraram a previsão dos economistas.
O papel da BHP Billiton teve baixa de 4,6%, depois que a mineradora teve queda em seu lucro líquido no último semestre, mesmo que ela tenha elevado seu dividendo. A fabricante de softwares para operações financeiras Fidessa, por outro lado, teve ganho de 23% na praça londrina, ao informar que está em negociações avançadas após receber uma oferta de compra do grupo suíço Temenos de 1,41 bilhão de euros.
Em Frankfurt, o índice DAX avançou 0,83%, a 12.487,90 pontos. Os bancos alemães se saíram bem, com Deutsche Bank e Commerzbank em altas de 1,52% e 0,68%, respectivamente. No setor de energia, E.ON subiu 1,40%. O grupo varejista Steinhoff, por outro lado, caiu 3,47%, com reação negativa após a companhia perder uma disputa judicial sobre como reportou seus números financeiros em 2016.
Na Bolsa de Paris, o CAC-40 teve ganho de 0,64%, para 5.289,86 pontos. O índice FTSE-MIB, da Bolsa de Milão, subiu 0,46%, a 22.673,56 pontos. Entre as ações mais negociadas, Telecom Italia subiu 3,01%, mas Intesa Sanpaolo e Enel recuaram 0,60% e 0,17%, respectivamente. Em Madri, o índice IBEX-35 fechou em alta de 0,91%, a 9.895,30 pontos. Santander subiu 1,65%, Iberdrola avançou 0,72% e CaixaBank recuou 0,54%, entre os papéis em destaque. Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 avançou 0,24%, a 5.448,81 pontos.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia