Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 18 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 19/02/2018. Alterada em 18/02 às 22h46min

Contratação de crédito rural em sete meses alcança R$ 85 bilhões

Agricultores estocaram produtos, como milho, apontam dados da SPA

Agricultores estocaram produtos, como milho, apontam dados da SPA


/ANDRÉ NETTO/ARQUIVO/JC
Grandes e médios produtores rurais tomaram R$ 85 bilhões em empréstimos por meio do crédito oficial na atual temporada agrícola 2017/2018. O montante referente a financiamentos de custeio, comercialização, industrialização e investimento de julho/2017 a janeiro/2018 representa aumento de 14% em relação ao que foi financiado em igual período da safra anterior. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).
Do total, R$ 63 bilhões foram contratados a juros controlados. Já os financiamentos a juros livres chegaram a R$ 22 bilhões. De acordo com o diretor de Crédito e Estudos Econômicos, Wilson Vaz de Araújo, o aumento observado de 39% nos financiamentos de comercialização - R$ 4,4 bilhões - deve-se, especialmente, a preços relativamente inferiores àqueles praticados na safra passada, o que leva produtores a estocarem produtos, aguardando melhor oportunidade de comercialização. Nesse quesito, os destaques foram o milho, café, arroz e leite.
O crédito de investimento somou R$ 17 bilhões. Dentro dos programas de financiamentos de investimento, Araújo cita o desempenho favorável dos programas ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono), PCA (Programa para Construção e Ampliação de Armazéns), Inovagro (Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária) e o Pronamp (Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural). As contratações de crédito rural com recursos provenientes da emissão da Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) também tiveram destaque, com alta de 61% a taxas favorecidas, totalizando
R$ 8,9 bilhões ante R$ 5,2 bilhões do período passado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia