Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura Internacional

Notícia da edição impressa de 15/02/2018. Alterada em 14/02 às 22h04min

EUA pode ter crescimento de quase 3% ao ano, diz Mnuchin

Steven Mnuchin falou ontem em audiência de comissão do Senado

Steven Mnuchin falou ontem em audiência de comissão do Senado


/AARON P. BERNSTEIN/AFP/JC
O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, afirmou que o Orçamento proposto pelo governo do presidente Donald Trump para o próximo ano fiscal propiciará que o país cresça cerca de 3% ao ano. Ainda segundo ele, autoridades têm trabalhado para evitar que sejam usadas brechas nas mudanças recentes no sistema tributário norte-americano para se evitar o pagamento de impostos.
Mnuchin foi criticado pela oposição pelas propostas, que na avaliação dos democratas propiciarão renda ainda mais alta e menos impostos para os mais ricos. O secretário argumentou que os cortes em impostos para faixas mais altas de salários servirão como estímulo à economia. Ele falou durante audiência da Comissão de Finanças do Senado em Washington, na qual são discutidas as propostas de Trump para o Orçamento no ano fiscal de 2019.
Segundo Mnuchin, a iniciativa irá cortar gastos e gerar mais crescimento econômico, reduzindo ainda a relação entre a dívida e o Produto Interno Bruto (PIB) do país. Mnuchin disse que o Orçamento proposto deve ser visto como mais um passo nas políticas de Trump para impulsionar a economia, gerar empregos e cortar regulações desnecessárias. Também afirmou que as medidas do governo garantem que as empresas norte-americanas serão mais competitivas e encorajam a repatriação de lucros.
Membro democrata mais graduado na comissão, Ron Widen criticou duramente a proposta. Segundo ele, o Orçamento proposto implicará cortes na seguridade social e nos gastos com saúde. Widen ainda contestou o argumento do presidente de que a proposta representará um impulso para as infraestrutura.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia