Porto Alegre, segunda-feira, 16 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

conjuntura internacional

02/02/2018 - 12h08min. Alterada em 02/02 às 12h08min

EUA geram 200 mil empregos em janeiro, acima do previsto

Os Estados Unidos criaram 200 mil empregos em janeiro, informou o Departamento do Trabalho nesta sexta-feira. O dado veio acima das expectativas de analistas ouvidos pelo Wall Street Journal, que previam geração de 177 mil vagas. Nos últimos três meses, a média mensal de criação de postos de trabalho foi de 192 mil, acima da média de 181 mil em 2017 como um todo.
Os Estados Unidos criaram 200 mil empregos em janeiro, informou o Departamento do Trabalho nesta sexta-feira. O dado veio acima das expectativas de analistas ouvidos pelo Wall Street Journal, que previam geração de 177 mil vagas. Nos últimos três meses, a média mensal de criação de postos de trabalho foi de 192 mil, acima da média de 181 mil em 2017 como um todo.
A taxa de desemprego manteve-se em 4,1%, como esperado. Já o salário médio por hora dos trabalhadores subiu 0,34% no mês, ou US$ 0,09, para US$ 26,74 por hora. O dado também veio melhor do que os 0,20% esperados. Em 2017, os salários subiram 2,9%.
Janeiro marcou o 88º mês seguido de criação de empregos nos EUA, a série mais longa da história, o que comprova a durabilidade de expansão econômica que começou em 2009.
Em janeiro, a maioria dos setores da economia contratou. Foram 196 mil vagas criadas no setor público e 4 mil no setor público.
De acordo com o Departamento do Trabalho, o fechamento de três dias do governo atrapalhou um pouco a coleta dos dados, mas não teve "efeitos discerníveis" nos números principais.