Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 02 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

aviação

Alterada em 02/02 às 10h59min

Embraer reitera que não há definição sobre combinação de negócios com a Boeing

Empresa diz que 'quando e se' definida estrutura, estará sujeita a aprovação do governo e dos reguladores

Empresa diz que 'quando e se' definida estrutura, estará sujeita a aprovação do governo e dos reguladores


YASUYOSHI CHIBA/AFP/JC
A Embraer reiterou, em esclarecimento a notícias publicadas na imprensa, que não tem como comentar a previsão de conclusão de uma potencial combinação de negócios com a Boeing. A empresa diz que "quando e se" definida possível estrutura, estará sujeita a aprovação não somente do governo brasileiro, mas também dos órgãos reguladores nacionais e internacionais e dos órgãos societários das duas companhias.
Segundo comunicado da fabricante brasileira de aviões, nas conversas com o grupo de trabalho, do qual o governo participa, vem sendo ventiladas formas para eventual combinação de negócios, como já informado, "sem que nenhuma delas constitua efetivamente oferta ou proposta para concretização do negócio, mas tão somente um arcabouço de discussão com vistas a orientar os entendimentos".
Notícia publicada pelo Correio Braziliense na quinta-feira (1) afirmava que a Boeing apresentaria antes do final do dia uma nova proposta ao governo brasileiro para consolidar a união com a Embraer, defendendo a manutenção da Golden share (ação especial, com direito a veto) da União apenas na área de defesa aérea brasileira.
Segundo o jornal, a companhia norte-americana estaria disposta a investir US$ 6 bilhões para adquirir a propriedade da Embraer - e não o controle, sem tirar as operações da companhia do Brasil, nem alterar a marca. Caso o governo brasileiro sinalizasse de uma forma positiva, a conclusão do negócio se daria em 10 meses, no máximo, um ano.
Sobre o valor mencionado na notícia, a Embraer esclarece que não possui elementos para manifestar-se sobre esse tema, uma vez que não há definição sobre a estrutura de uma potencial combinação de negócios e sobre os valores que poderia envolver.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia