Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 15/02/2018. Alterada em 14/02 às 20h14min

Frases e personagens

Dom Sérgio da Rocha

Dom Sérgio da Rocha


MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL/JC
"A corrupção é uma forma de violência, e ela mata." Cardeal Sérgio da Rocha, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). A entidade lançou, nesta quarta-feira (14), a Campanha da Fraternidade 2018, com o tema Fraternidade e Superação da Violência. 
"Precisamos caminhar de mãos dadas, e não de punhos cerrados. Essa é a melhor forma de lidarmos com essa campanha. Minha mãe dizia, quando eu era criança, que, se tivesse algum problema, era para eu procurar um adulto por perto. Hoje, vejo mães e professores desconfiarem e temerem adultos que chegam próximo às escolas. Quem se aproxima pode ser inimigo. Estamos fazendo do outro não um irmão, mas um inimigo a se combater." Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), durante o lançamento da Campanha da Fraternidade.
"Foram mais de 60 mil homicídios em 2017, e foram 61 mil em 2016. Se considerarmos que a bomba de Nagasaki (explodida no Japão pelos norte-americanos ao fim da 2ª Guerra Mundial) matou instantaneamente 80 mil (pessoas), podemos dizer que a cada ano morre, no Brasil, o equivalente a uma bomba de Nagasaki." Alexandre Molón, deputado (Rede-RJ) e coordenador da Frente Parlamentar pela Prevenção à Violência e Redução dos Homicídios, durante o lançamento da Campanha da Fraternidade. 
"Não descansarei enquanto não resolver os problemas de Roraima." Michel Temer (PMDB), presidente da República, em reunião com ministros no Palácio da Alvorada para discutir medidas relativas à imigração de venezuelanos e a situação do estado.
"Houve uma falha nos dois primeiros dias, e depois a gente reforçou aquele policiamento. Mas eu acho que houve um erro nosso. Não dimensionamos isso." Luiz Fernando Pezão (PMDB), governador do Rio de Janeiro, admitindo falhas no esquema de segurança do Rio no Carnaval.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia