Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Fernando Albrecht

Começo de Conversa

Notícia da edição impressa de 23/02/2018. Alterada em 22/02 às 21h25min

A tragédia de Fanfa I

CARLOS WALLAUER/ACERVO/DIVULGAÇÃO/JC
O pior acidente ferroviário do Rio Grande do Sul aconteceu no dia 27 de janeiro de 1968, quando um trem de carga da Viação Férrea do Rio Grande do Sul (Vfrgs) com 23 vagões e 683 toneladas chocou-se contra dois vagões de passageiros de um trem misto Porto Alegre-General Câmara com 100 pessoas a bordo, resultando em 40 mortos e 61 feridos que estavam nos vagões de madeira. O acidente ocorreu às 17h55min de um sábado na estação Fanfa.

A tragédia de Fanfa II

O maquinista do trem de carga deveria ter parado 50 metros antes da estação, mas seguiu em alta velocidade e colidiu com o trem de passageiros. A única testemunha foi o brigadiano Zilmar de Oliveira Lemos. O soldado contou que, momentos antes do choque, o agente de Fanfa Avelino Luiz Barbosa fazia sinais desesperados para o cargueiro parar. Em vão. A tragédia se consumou. Os dados são do montenegrino Carlos Wallauer.

Historinha de sexta

Um cidadão bem conhecido da cidade de Montenegro teve um acidente - caiu do cavalo - que deixou algumas sequelas, entre elas, a de não reconhecer mais as pessoas temporariamente. Um amigo dele, de nome Alcione, foi visitá-lo em casa e ver se a memória estava voltando. Sentou bem em frente dele e perguntou olho no olho:
- Sabes quem eu sou?
O outro acenou com a cabeça.
- Então como é meu nome?
O convalescente franziu a testa, buscando algo no fundo da gaveta da memória.
- É... é nome de... deixa eu ver... é nome de uma cantora...
De repente, seu rosto se iluminou.
- Mas é claro, agora lembro, Gretchen!

Cavalo xucro

A propósito da nota sobre vícios de direção dos motoristas de ônibus da Capital, leitor opina que não só eles, mas todos os motoristas gaúchos, inclusive de automóveis, não dirigem seus veículos, mas os domam.

Próximo passo

A propósito da decisão do STF em conceder habeas corpus a mulheres com filhos menores, todas as partes interessadas foram ouvidas, menos uma: familiares das vítimas ou elas próprias. Do jeito que a diligência vai, em breve, os culpados pelas condenadas estarem na prisão é que serão presos. E não é de se duvidar que apenados com filhos menores peçam isonomia. Duvidar, quem há de?

O luto sindical

Na psicologia, a negação é a primeira das fases do luto que precedem a aceitação. Com a perda da principal fonte de receitas, alguns sindicatos ainda não assimilaram o fim da contribuição obrigatória. Agora, aproveitam brechas na lei para pressionar associados pela cobrança. Defendem que, se a manutenção do imposto for aprovada em assembleia geral, todos devem seguir pagando.

O luto sindical II

Pela nova lei trabalhista, a contribuição é facultativa e exige autorização expressa e prévia do trabalhador. "Meras notificações dos sindicatos, mesmo que originadas de assembleias internas, não têm força para sobrepor-se à reforma", enfatiza o advogado Marcelo Scalzilli, sócio da Scalzilli Althaus. Ou seja, o imposto sindical obrigatório morreu, e quem quiser enterrá-lo terá garantia da lei.

La Ferrari

Q uem tem uma bela conta bancária e desfruta o que, no popular, se chama de estar com o burro na sombra pode se candidatar à compra de uma Ferrari Itália ano 2014 com apenas 7,5 quilômetros. O preço é R$ 1,190 milhão. O carro está exposto na Via Bella Veículos, em Caxias do Sul. É um V8 de 490 cavalos, três modos de condução, freios de cerâmica e faz de zero a 100 km/h em 3,8 segundos.

Libaneses em Nova Petrópolis


MARCELO MOURA/DIVULGAÇÃO/JC
O embaixador e a embaixatriz da Jordânia no Brasil, Malek Eid Otalla Twal e Hoda Twal, visitaram Nova Petrópolis ciceroneados pelo prefeito em exercício, Oraci de Freitas, e equipe. Os diplomatas se interessaram por uma plantação de figos (foto) e, depois, conheceram a história e a cultura do município. Malek elogiou a organização da cidade dizendo que era parecida com a Alemanha. Isso sim que é elogio.
 

Miúdas

  • PSICANALISTA e jornalista João Gomes Mariante festejará seus 100 anos de vida nesta segunda-feira na Casa do Marquês, a partir das 19h30min.
  • POLÍCIA Civil marcou um golaço ao apreender pistolas novas 9 mm e munição durante o jogo da final da Recopa. Gol olímpico.
  • PARTE do dinheiro advindo da corrupção na Venezuela está depositada em bancos suíços, informa a imprensa local. Calcula-se que o rombo atinja US$ 1 bilhão.
  • EM outros países latinos, há quem fuja dos bancos e guarde aqui por perto o mal havido em ouro e até em diamantes de países africanos.
  • EM algum momento do futuro, a profissão que terá grande mercado será a dos especialistas em retirar tatuagens.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia