Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

24/01/2018 - 09h38min. Alterada em 24/01 às 13h40min

Relator do TRF-4 diz que não serão considerados fatos pregressos da vida dos réus

Antes de iniciar a leitura do relatório na manhã desta quarta-feira (24) o desembargador João Pedro Gebran Neto, relator da ação penal contra o ex-presidente Lula no caso triplex no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), destacou que "não serão considerados fatos pregressos da vida dos réus".
Em seguida, ele prosseguiu a leitura do parecer. Nas últimas semanas, Lula e seus aliados afirmaram que o petista sofre "uma perseguição" do Judiciário por causa da sua atuação política.
Aos 52 anos, Gebran Neto atua no TRF4 há pelo menos quatro. Recentemente, ganhou o título de doutor honoris causa em Direito à Saúde e foi coordenador do Comitê Executivo da Saúde do Paraná. Ex-promotor do Estado do Paraná, Gebran é próximo do juiz Sérgio Moro e já afirmou que o juiz federal "colaborou decisivamente com sugestões e críticas" para um de seus livros.
Ambos fizeram mestrado com o mesmo orientador na Universidade Federal do Paraná no início dos anos 2000. Por isso, os advogados de Lula já argumentaram contra Gebran, afirmando que ele tem "estreitos e profundos laços de amizade com o juiz Sérgio Moro".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia