Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Notícia da edição impressa de 18/01/2018. Alterada em 18/01 às 18h30min

Apoiadores de Lula não vão tolerar mascarados em atos

Diego Nuñez
A Frente Brasil Popular (FBP) promete atos pacíficos nas manifestações contrárias à condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Para garantir isso, o movimento contará com a presença de 2 mil seguranças para manter a organização dos eventos. "Segurança para nós não é o conceito que a Brigada tem. É de manter os deslocamentos e eventos dentro de uma certa organização", afirmou o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo. Ele ainda afirmou que o ato não tolerará pessoas mascaradas, que "serão convidadas a tirar a máscara".
A FBP estima que cerca de 50 mil pessoas - majoritariamente do Estado, mas com representantes de todo o Brasil e caravanas da Argentina e do Uruguai - estejam presentes nos atos.
O movimento ainda negocia junto à Secretaria de Segurança Pública (SSP) um local para o que chama de acampamento de resistência. Os eventos começarão às 9h do dia 22, segunda-feira, e irão até a noite de terça-feira, quando se formará uma concentração na Esquina Democrática, por volta das 16h, culminando em uma marcha até o local do acampamento - ainda indefinido - por volta das 20h.
No dia 24, quarta-feira, o objetivo é que a concentração da militância se localize "o mais próximo possível do TRF-4", como disse o vice-presidente do PT-RS, Carlos Pestana Neto. O petista demonstrou vontade de que a concentração seja no parque Harmonia, onde se proibiu realizar o acampamento por decisão judicial. "Nós estamos buscando um ponto de equilíbrio com o Estado para definir o local da vigília. Se será no Harmonia ou não, ainda não temos como confirmar", declarou Pestana.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia