Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 15/01/2018. Alterada em 15/01 às 13h50min

Recado para os deputados

Na avaliação do deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), vice-líder do governo na Câmara, o rebaixamento da classificação de risco imposto por uma das maiores agências internacionais de classificação de risco, a Stdandart & Poors traz recados importantes. O primeiro é que o País precisa fazer mais, concluir todas as reformas na área econômica. E o segundo e mais importante, é dirigido aos parlamentares, que precisam aprovar a reforma da Previdência. Na avaliação do parlamentar gaúcho, o buraco fiscal precisa ser atacado e isso depende do Congresso Nacional. "Do buraco econômico nós já saímos. O País voltou a crescer, a inflação é a menor em 20 anos e a balança comercial é a maior da história. Falta tapar o buraco fiscal. O Brasil ainda gasta mais do que arrecada, herança assustadora dos governos anteriores do PT. E o buraco maior está na Previdência pública. Então, nós deputados precisamos votar a reforma da Previdência no dia 19 de fevereiro." Mas mesmo com o rebaixamento que teve um impacto enorme no meio político, fica claro que o mercado, segundo os analistas, está mais preocupado com o julgamento de Lula que poderá redirecionar as alianças eleitorais. Já sem ajuste fiscal por incompreensões no Legislativo e no Judiciário, a tendência é o Brasil piorar ainda mais na avaliação de risco com outros pontos negativos sendo apontados.
Câmeras em pet shop
Projeto de lei do deputado Antonio Goulart (PSD-SP) propõe a instalação de câmeras em pet shops. O parlamentar quer que o cliente possa acompanhar, em tempo real pela internet, a prestação dos serviços. O estabelecimento tem o prazo de cinco dias para entregar as imagens ao consumidor, quando solicitado, bem como é responsável por arquivá-las por, no mínimo, seis meses. O autor acredita que a medida vai inibir maus tratos. A proposta será analisada de forma conclusiva pelas comissões de Defesa do Consumidor; de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.
Portabilidade numérica
A portabilidade numérica, no Brasil, começou em 2009 e já realizou a 40,83 milhões de transferências. A informação consta do balanço anual da Associação Brasileira de Recursos em Telecomunicações (ABR Telecom), Entidade Administradora da Portabilidade Numérica e refere-se ao período de início do serviço até o dia 31 de dezembro de 2017. Desde que a portabilidade numérica começou a ser possível no País, até dezembro de 2017 foram realizadas 14,15 milhões (35%) de transferências entre operadoras de telefonia fixa. Os portadores de telefones móveis fizeram 26,67 milhões (65%) de transferências no mesmo período.
Tensão Eleitoral
A disputa considerada prematura entre Henrique Meirelles (PSD), ministro da Fazenda, e Rodrigo Maia (DEM), pré-candidatos à presidência da República preocupa o governo. O temor é que a crescente tensão eleitoral possa atrapalhar a negociação e aprovação da reforma da Previdência, marcada para o dia 19 de fevereiro. O presidente Michel Temer ficou preocupado com o embate entre os dois aliados do governo, Meirelles e Maia, que se desentenderam de como deveria ser a "regra de ouro". Temer chamou o presidente da Câmara para uma conversa no Palácio do Planalto logo depois do atrito para reafirmar que a prioridade absoluta é a reforma da Previdência.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia