Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Brasília

Notícia da edição impressa de 09/01/2018. Alterada em 08/01 às 21h26min

Bolsonaro recebe auxílio-moradia da Câmara

Mesmo sendo dono de um apartamento em Brasília, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) recebe auxílio-moradia de R$ 3.083,00 da Câmara. O presidenciável possui um imóvel de dois quartos na capital federal desde 1998 e recebe o benefício desde 1995. A informação foi publicada pelo jornal "Folha de S.Paulo" e confirmada pelo Globo.
O auxílio-moradia concedido na Câmara Federal é pago a deputados que não ocupam apartamentos funcionais em Brasília. Não há imóveis suficientes para todos os parlamentares.
O pagamento pode ser feito por meio de reembolso, para quem apresenta recibo de aluguel ou de gasto com hotel em Brasília; ou em espécie, sem necessidade de apresentação de qualquer recibo, mas nesse caso com desconto de 27,5% relativo a Imposto de Renda. Bolsonaro optou por essa segunda opção.
O deputado Jair Bolsonaro se manifestou nas redes sociais, porém, não abordou quase nenhum dos pontos relativos à sua evolução patrimonial. Em postagem anterior, na noite de domingo havia falado em calúnia.
O apartamento de Bolsonaro, de 69m2 e localizado no bairro Sudoeste da capital, não é o único imóvel em nome do possível candidato à presidência, que tem propriedades pelo estado do Rio de Janeiro. Em sua declaração de bens, o deputado apresentou dois imóveis à beira-mar na Barra da Tijuca; um no bairro de Bento Ribeiro; e outro em Angra dos Reis.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia