Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

Notícia da edição impressa de 05/01/2018. Alterada em 04/01 às 22h24min

Barros sairá do Ministério da Saúde para concorrer

Ricardo Barros será candidato a deputado federal no Paraná

Ricardo Barros será candidato a deputado federal no Paraná


MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL/JC
O ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP), reafirmou nesta quinta-feira que será candidato a deputado federal no Paraná e que, portanto, terá de deixar a pasta até abril. "Fico no cargo o tempo que o presidente determinar. Mas a data limite é dia 7, o prazo que a lei impõe", disse.
Ao todo, o Palácio do Planalto contabilizava cerca de 17 ministros que poderiam deixar a pasta até abril para disputar algum cargo. Nas últimas semanas, porém, alguns se anteciparam e pediram demissão. Foi o caso de Ronaldo Nogueira (PTB), que deixou o Ministério do Trabalho, e de Marcos Pereira (PRB), do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços, que, na quarta-feira, apresentou sua carta de demissão ao presidente Michel Temer.
Na quarta-feira, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse que os ministros que pretendem deixar o governo por causa das eleições sairão de forma paulatina, após conversa com Michel Temer.
Padilha lembrou que, em dezembro, o governo ameaçou por em marcha uma reforma ministerial ampla, trocando 17 ministros, mas recuou por insatisfação dos que desejavam permanecer por mais tempo no poder.
"O presidente Michel Temer já disse isso em dezembro, vamos fazer paulatinamente", disse Padilha. "Para conseguir manter a base, tem que manter os partidos."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia