Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Governo Federal

Alterada em 04/01 às 17h21min

Temer pediu que aliados não deixem tema da reforma da Previdência 'morrer'

Presidente solicitou que aliados que continuem empenhados na defesa da reforma

Presidente solicitou que aliados que continuem empenhados na defesa da reforma


Alan Santos/PR/DIVULGAÇÃO/JC
Na primeira reunião do ano no Palácio da Alvorada, o presidente Michel Temer pediu na quarta-feira, (3) à noite a aliados que continuem empenhados na defesa da reforma da Previdência e que não deixem "o tema morrer". O governo ainda está distante dos 308 votos necessários para aprovar a reforma, mas tem apostado em um discurso otimista na tentativa de viabilizar a aprovação da reforma.
Participaram do encontro de quarta à noite no Alvorada, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Carlos Marun (Secretaria de Governo).
Marun, que é o responsável por tratar de liberação de emendas parlamentares, por exemplo, já avisou que vai criar um esquema especial de trabalho com os líderes para angariar apoio a proposta. "Eu reservei as quartas-feiras para atender os líderes, só líderes, para ter conversas, não reservadas, mas tratar de questões específicas. Isso já passa a fazer parte da nossa agenda", afirmou.
O ministro afirmou que hoje o ambiente está "muito mais favorável" para a reforma. "Saindo de um restaurante, tinha uma mesa de jovens, e eles me disseram: 'Ministro, vamos aprovar a reforma da Previdência'. Saindo do hotel, um hóspede disse: 'Ministro, vamos aprovar a reforma'. Se isso está acontecendo comigo, deve estar acontecendo com os parlamentares. Isso é muito importante, por que, o que leva alguém que não é oposição, da base, a votar contra a reforma? É o medo, de que um voto favorável à reforma possa trazer impacto eleitoral negativo. É justo", explicou.
No período da manhã, Maia reuniu-se em sua residência oficial com os ministros da área econômica Henrique Meirelles (Fazenda) e Dyogo Oliveira (Planejamento) para tratar da reforma. Conforme calendário já anunciado, a votação da reforma da Previdência na Câmara está marcada para o dia 19 de fevereiro. Mas o presidente da Casa quer começar as discussões sobre a matéria ainda antes do carnaval, no dia 5 de fevereiro.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia