Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Corrupção

04/01/2018 - 14h41min. Alterada em 04/01 às 14h46min

Juíza decreta prisão preventiva do ex-governador do Amazonas

O ex-governador do Amazonas José Melo (PROS) vai ficar preso por tempo indeterminado. A decisão é da juíza federal Jaiza Maria Pinto Fraxe, de Manaus, que atendeu pedido da Procuradoria da República e também decretou a prisão da ex-primeira-dama Edilene Gomes de Oliveira. O ex-governador estava preso em regime temporário desde antes do Natal.
Melo é o principal alvo da Operação Maus Caminhos, que investiga supostos desvios de recursos públicos da área da saúde. Os investigadores suspeitam o ex-governador, cassado por compra de votos nas eleições de 2014, recebeu propina de R$ 20 milhões. Os investigadores atribuem a ele crimes contra a administração pública, lavagem de dinheiro e associação ou organização criminosa, bem como fatos reveladores de ocultação e destruição de elementos de provas.
No pedido de prisão preventiva, a Procuradoria destaca elementos claros de interferência indevida dos investigados na investigação criminal, na intimidação de testemunhas, na ocultação de bens, na potencial continuidade da prática do crime permanente de lavagem de dinheiro.
"No caso concreto, o perigo da liberdade de José Melo de Oliveira e Edilene Gomes de Oliveira está lastreado em três fundamentos que ora denomino de requisitos fáticos devidamente preenchidos: conveniência da instrução criminal, assegurar a aplicação da lei penal e garantir a ordem pública, uma vez já está confirmada nos autos a prova da existência do crime, bem como os fortes indícios de autoria", assinalou a juíza federal Jaiza Fraxe.
A magistrada destaca que a investigação aponta que Melo detinha a posse de boxes na cidade de Manaus onde eram guardados objetos e documentos suspeitos que foram retirados imediatamente após visita da Polícia Federal à residência do casal.
A juíza assinala que Melo e Edilene através de parentes arrombaram boxes e estão escondendo documentos e os produtos de crimes, conforme comprovam as fotografias e relatórios anexados pelo Ministério Público Federal.
A reportagem não conseguiu contato com o criminalista José Carlos Cavalcanti Junior, que integra o núcleo de defesa do ex-governador José Melo. Na última terça-feira (2) Cavalcanti Junior declarou que ainda não existe nem denúncia formal do Ministério Público Federal contra o ex-governador. Segundo ele, relatórios da investigação têm base apenas em fofocas de blogs locais.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia