Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

03/01/2018 - 16h46min. Alterada em 03/01 às 18h56min

Filha de Roberto Jefferson será ministra do Trabalho

Cristiane Brasil vai comandar a pasta deixada pelo gaúcho Ronaldo Nogueira

Cristiane Brasil vai comandar a pasta deixada pelo gaúcho Ronaldo Nogueira


GERALDO MAGELA/AGÊNCIA SENADO/DIVULGAÇÃO/JC
A deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ), filha do delator do mensalão, Roberto Jefferson, será a nova ministra do Trabalho. A informação foi confirmada pelo próprio Jefferson, presidente do PTB, após reunião com o presidente Michel Temer no Palácio do Jaburu na tarde desta quarta-feira (3). Entre lágrimas, Jefferson disse que a nomeação de sua filha é um "resgate" à sua imagem após o mensalão. O dirigente do partido foi o pivô do escândalo político e chegou a ser condenado e preso. 
Segundo o presidente da sigla, Temer consultou o líder do PTB na Câmara dos Deputados, Jovair Arantes (GO), e telefonou para a nova ministra para saber se eles aceitariam o convite. E teve resposta afirmativa de ambos. O Ministério do Trabalho está sem titular desde que o também deputado federal pelo PTB Ronaldo Nogueira pediu demissão, no último dia 27. Ele se desligou com o argumento de que quer se dedicar à sua campanha pela reeleição.
No mesmo dia em que saiu da pasta, ele publicou nova portaria sobre a definição de trabalho escravo, que deixa mais rígidas as definições do que leva à punição do empregador. O deputado federal Pedro Fernandes (PTB-MA), chegou a ser escolhido para comandar o ministério, mas teve o nome vetado pelo ex-presidente José Sarney (MDB). Sarney nega o veto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia