Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 30/01/2018. Alterada em 30/01 às 00h08min

O que temos de especial

Marcelo Pelissioli
O nascimento de um canguru é um dos mais dramáticos do reino animal. Ele oficialmente nasce quando ainda está praticamente em fase embrionária, medindo cerca de 2cm e pesando algo em torno de 1g. Cego, e ainda sem as patas traseiras desenvolvidas, o bebê precisa escorregar até a famosa bolsa da mãe, o marsúpio, para completar sua formação. Esse processo, entre nascer e chegar até a bolsa leva em torno de 5 minutos. Minutos esses que, podemos imaginar, devem parecer uma eternidade para um ser tão pequenino e frágil, que precisa ir se agarrando aos pelos da mãe e cuidando para que não caia no chão, o que seria fatal. Ele já nasce praticamente lutando pela vida. É de sua natureza.
A lagosta é um crustáceo que, como outros de sua espécie, possui o que se chama de exoesqueleto. Uma espécie de armadura que a protege, mas que, após determinado tempo, não acompanha o crescimento do animal. Assim, conforme a lagosta vai crescendo, chega um momento em que, ou a lagosta abandona essa proteção biológica que tem e continua crescendo até desenvolver outro exoesqueleto, ou vai ficar do mesmo tamanho para sempre. A natureza sempre a impele a crescer, e trocar de proteção quando essa está refreando seu crescimento. É de sua natureza.
Existe uma espécie de peixe no Havaí, o Lentipes Concolor, que nunca ultrapassa os 7cm, e que tem uma característica quase impensável para um peixe: ele é capaz de escalar paredões rochosos de cachoeiras de quase 150m de altura para procriar. Graças a ventosas dispostas em seu corpo, o pequeno peixe vai se agarrando às pedras úmidas contra o fluxo d'água de uma enorme cachoeira para cumprir seu destino de procriar no mesmo lugar onde nasceu. Muitos acabam caindo, e reiniciando sua jornada. Alguns morrem. É de sua natureza. Se o próximo ser descrito fosse você, qual seria a história, em poucas linhas? O que sobre você seria incrível? O que seria único? O que seria verdade? A "sua natureza" te agradaria? Ao contrário dos animais, você pode fazer escolhas além dos hábitos e instintos.
Coach
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia