Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 25/01/2018. Alterada em 24/01 às 22h04min

O coronel gaúcho

João Pedro Casarotto
O enraizamento ou não do coronelismo político no Rio Grande do Sul depende da Assembleia Legislativa, que ora aprecia o Projeto de Lei Complementar (PLC) nº 249/17, que autoriza o Estado a instituir o dito Plano de Recuperação Fiscal.
Iludidos por falsos mascates financeiros, os montadores embutiram nesse plano a criação de um fundo de investimento.
Nele, estarão reunidos restritos parceiros, e que administrarão os valores oriundos dos créditos que o Estado tem a receber de terceiros, que hoje beiram os R$ 40 bilhões, isto é, cerca de 24 Rodovias do Parque (BR-448) ou de 20 vezes o valor que o Estado pretende receber com a venda das ações do Banrisul.
Esse fundo possibilitará triangulações financeiras com ganhos de arbitragem que poderão anular ou até gerar lucro com o imposto devido enquanto que o recolhido pelos demais contribuintes será destinado ao custeio de desenfreados gastos de financiamento e de funcionamento.
Sem querer, as atuais autoridades poderão deixar as portas abertas para que, no futuro, alguém queira manipular esta montanha de dinheiro em benefício próprio para se tornar o "sinhô coroné gaúcho" que comandará a política gaúcha pelas próximas décadas.
O PLC 249/17, ao permitir a transferência de vultosos recursos públicos para selecionados investidores profissionais, aprofundará a atrofia da iniciativa privada e dos serviços públicos. Também acelerará o atual processo de favelização dos gaúchos com suas nefastas consequências: coronelismo, mandonismo, clientelismo, compadrio, amiguismo e dinastia política.
Não creio que as deputadas e os deputados estaduais queiram gravar seu nome na história como responsáveis pela criação de vultosos passivos - inclusive os ocultos, decorrentes de intocáveis contratos leoninos - e pelo maior retrocesso político e econômico ocorrido em solo gaúcho. Precisamos rechaçar o atraso.
Auditor-fiscal/RS aposentado
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia