Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 03/01/2018. Alterada em 02/01 às 21h30min

A luz no fim do túnel apagou

Paulo Vellinho
Confesso que me esforço para ver a luz no fim do túnel, ou seja, a tão necessária retomada do crescimento econômico, com desenvolvimento. Na minha visão, porém, os pífios resultados apresentados pelo governo deixam-me perplexo pois não encontro razões concretas para toda esta euforia.
Afinal, onde está o fundamento para tanto otimismo, quando se comemora crescimento na faixa de 1% a 2%, mas continuamos convivendo com os 12 milhões de desempregados e o elevado endividamento das famílias, e a violência urbana atinge taxas estratosféricas pelo agravamento da crise social?
Diante desta constatação, a postura dos nossos governantes me leva a acreditar que o significado das palavras mudou, porquanto, o entusiasmo reiteradamente manifestado pelas autoridades não encontra guarida na realidade que vivenciamos.
Pela primeira vez na minha vida, com o cair da ficha, sobre a dimensão do caos em que se encontra a nossa economia, revolta-me e faz-me ter nojo desses maus políticos. Com sua atitude pautada pela falsidade, elas acabaram ressuscitando as figuras do Pinóquio e do Pica-Pau. Haja cara de pau...
Tal comportamento confirma, uma vez mais, a necessidade de a tão demandada reforma política incluir dispositivo pelo qual os candidatos a cargos eletivos sejam previamente submetidos a exames tipo Enem para a aferição de sua qualificação para os cargos pretendidos. Afinal, não basta ter ficha limpa - também se impõe que tenham currículo.
Empresário
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia